Militares não conseguem conter invasão de Palestinos no Egito

Segundo a Efe, as forças egípcias abandonaram o local depois da tentativa frustrada de conter o novo êxodo

Agências internacionais,

25 de janeiro de 2008 | 13h44

Milhares de palestinos na cidade de Rafah tentaram evitar que a fronteira da faixa de Gaza com o Egito fosse fechada nesta sexta-feira, 25. Alguns chegaram a usar uma escavadeira para tentar abrir um novo buraco no muro erguido na fronteira, depois que forças de segurança egípcias tentaram bloquear os vários pontos de passagem abertos ilegalmente no local.   Veja também: Veja as imagens  Faixa de Gaza foi controlada por otomanos, egípcios e judeus  Egito começa a fechar fronteira com Gaza Israel restringe acesso a mesquita em Jerusalém   Policiais egípcios com escudos formaram correntes humanas ao longo da fronteira entre o Egito e Gaza, mas não foram capazes de conter uma nova onda de palestinos que cruzaram para o país depois que uma retroescavadeira derrubou uma outra parte do muro que separa os dois territórios.   Parte do muro da fronteira foi destruído na quarta-feira, 23, por militantes palestinos, depois que Israel bloqueou totalmente as passagens para o território, impedindo a entrada de comida, combustível e remédios. O bloqueio total imposto por Israel visa punir os militantes palestinos de Gaza pelo disparo de foguetes caseiros contra o território do Estado judeu.   Desde a abertura forçada da fronteira, no entanto, o Egito permitiu que dezenas de milhares de palestinos entrassem no país e voltassem para Gaza, mas não aceitou sugestões de Israel de que deveria assumir responsabilidade pela miserável faixa costeira.   Segundo a agência Efe, após as tentativas frustradas de fechar as passagens, as forças de segurança egípcias se retiraram da região fronteiriça e se negaram a conter os palestinos que tentavam entrar no país.   Por volta das 16h30 locais (11h30 em Brasília), informou a agência, todos os veículos blindados das forças egípcias enviados à fronteira começaram a se retirar, enquanto homens armados palestinos os substituíram.   Novas passagens   Mais cedo, vários palestinos, alguns encapuzados, subiram em um trator para garantir a derrubada de uma parte de concreto do muro. Forças egípcias fizeram disparos de advertência para o ar, mas centenas de palestinos continuaram passando. Antes, os policiais haviam jogado jatos d'água sobre a cabeça de palestinos que entravam no Egito por buracos abertos nos dias anteriores no muro, mas sem conseguir dissuadi-los.   Entre os palestinos estavam elegantes mulheres em roupas de festa que rumavam para casamentos de parentes no Egito, que segundo elas foram acertados às pressas para permitir a participação de familiares de Gaza.   Yousef Mohammed, de 17 anos, disse que esperou até esta sexta para cruzar para o Egito porque estava juntando dinheiro para as compras. "Eles não querem que entremos", afirmou ele, apontando para os policiais. A egípcia Amira Ali, de 39 anos, com um filho no colo e puxando pela mão um outro de seis anos, fazia o caminho inverso, para visitar sua sogra em Gaza. "Claro que tenho medo de ficar presa em Gaza, mas quero mostrar as crianças para minha sogra", explicou.   Palestinos voltando do Egito disseram que foi anunciado por alto-falantes na cidade próxima de Rafah que eles tinham de voltar a Gaza até o começo da noite desta sexta.   'Situação inaceitável'   Numa entrevista publicada nesta sexta, o presidente egípcio, Hosni Mubarak, considerou a situação em Gaza "inaceitável" e exigiu que Israel "suspenda o cerco" e "resolva o problema".   A abertura da fronteira, mesmo temporariamente, deu um enorme ganho de popularidade para os governantes do Hamas de Gaza, que afirmam ter conseguido romper um isolamento da faixa imposto por Israel e aceito pela comunidade internacional desde que venceram uma eleição parlamentar em 2006. O isolamento ganhou força depois que o grupo islâmico tomou à força o controle de Gaza, derrotando o movimento Fatah, do presidente palestino Mahmoud Abbas, em junho último.   Texto atualizado às 14h43 

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelEgitoGaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.