Ministra israelense pede resposta militar para ruptura de trégua

Cada ataque palestino deve ter resposta imediata, diz Livni; cessar-fogo entre Israel e Hamas em Gaza sofre revés

Efe,

26 de junho de 2008 | 14h59

A ministra de Assuntos Exteriores de Israel, Tzipi Livni, pediu nesta quarta-feira, 26, que seu país dê uma "resposta militar imediata" a cada ruptura palestina da frágil trégua na Faixa de Gaza iniciada há oito dias por Israel e pelas milícias do território palestino. Livni fez esta afirmação no mesmo dia em que as Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa, braço armado do Fatah, dispararam dois foguetes Qassam sobre solo israelense, em uma nova ruptura das condições do cessar-fogo na Faixa de Gaza.   Veja também: Militantes disparam mísseis contra Israel e ameaçam trégua Em resposta a ataques, Israel fecha fronteiras de Gaza   "Para mim, tanto faz quem lançou o foguete. Cada ruptura deveria encontrar com uma resposta militar imediata. Deixei isso claro ao primeiro-ministro (Ehud Olmert) e ao ministro da Defesa (Ehud Barak) a partir da primeira infração, e deixo claro também a meus colegas estrangeiros", disse Livni ao início de seu encontro com o ministro de Exteriores norueguês, Jonas Gahr Store.   Os dois foguetes de hoje caíram na zona industrial da cidade israelense de Sderot, mas não causou danos materiais ou vítimas, segundo fontes militares israelenses. A trégua foi violada pelas duas partes em várias ocasiões desde segunda-feira, mas ainda está de pé.   Em virtude do acordo, alcançado com mediação do Egito, as milícias palestinas têm que parar de lançar foguetes Qassam e bombas contra Israel, que deve, por sua vez, suspender suas operações militares na faixa e suspender progressivamente o bloqueio à Faixa de Gaza.   Taher al-Nunu, porta-voz do governo do Hamas na Faixa de Gaza, advertiu nesta quarta as facções armadas palestinas de que quem violar o cessar-fogo "será considerado legalmente responsável" de jogar por terra um acordo "de interesse nacional" para os palestinos.   A primeira violação palestina foi na segunda-feira à noite, quando milicianos dispararam uma bomba contra Israel. Na terça, três foguetes da Jihad Islâmica atingiram diversas áreas do território israelense ao sul e leste da Faixa de Gaza, em resposta à morte de dos líderes da milícia em uma operação israelense na Cisjordânia, onde não rege a trégua.

Tudo o que sabemos sobre:
HamasIsraeltréguaGaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.