Ministro da Defesa de Israel pede renúncia de premiê

Primeiro-minsitro Ehud Olmert está sendo investigado por escândalo de corrupção envolvendo doações ilegais

Agências internacionais,

28 de maio de 2008 | 09h11

O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, pediu nesta quarta-feira, 28, a renúncia do primeiro-ministro do país, Ehud Olmert, para que ele possa fazer frente às acusações de corrupção pendentes contra ele. Numa entrevista coletiva, Barak afirmou que Olmert não conseguirá concentrar-se em questões de Estado cruciais enquanto simultaneamente se defende de uma investigação policial   Veja também:   Americano diz ter dado US$ 150 mil a Olmert    Barak sugeriu a Olmert que se licencie do cargo ou renuncie. Caso contrário, prosseguiu Barak, o Partido Trabalhista se retirará da coalizão de governo, o que forçará a antecipação das eleições. O ministro da Defesa pronunciou-se sobre o assunto um dia depois de um empresário norte-americano ter afirmado perante a justiça israelense que entregou dezenas de milhares de dólares a Olmert, muitas vezes em envelopes cheios de dinheiro. Assessores de Olmert dizem que o primeiro-ministro não tem planos de renunciar.   Artigos de luxo   O empresário disse que as transações eram feitas em dinheiro e usadas pelo premiê para comprar "artigos de luxo". A polícia acredita que Olmert teria aceitado até US$ 500 mil em propinas e doações ilegais para sua campanha.   As doações ocorreram quando o premiê era prefeito de Jerusalém e, depois, ministro do Comércio. A polícia suspeita que o dinheiro pode ter sido oferecido por Talansky em troca de favores políticos, mas o empresário diz não ter pedido nada.   O primeiro-ministro nega as acusações e diz que a verba foi aplicada em atividades políticas legítimas, incluindo o pagamento de dívida de campanha. Olmert tem estado sob pressão da oposição e sua popularidade vem caindo nas pesquisas de opinião por causa das alegações. Ele diz que renunciará se for indiciado por corrupção ou suborno, mas promotores dizem que pode levar ainda meses até que as investigações sejam concluídas.   Desconfiança   Uma pesquisa divulgada nesta quarta indicou que 70% dos israelenses não acreditam no premiê. Mais de dois terços da população de Israel não acha que seu primeiro-ministro esteja dizendo a verdade na investigação de corrupção, segundo o jornal israelense Haaretz.     (Com BBC Brasil)   (Matéria ampliada às 15h10)  

Tudo o que sabemos sobre:
Ehud OlmertIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.