Mike Theiler/Efe
Mike Theiler/Efe

Ministro da Defesa de Israel quer deixar para trás tensões em Gaza

Ehud Barak se reunirá com Hillary Clinton para discutir a paz no Oriente Médio e ameaças

Efe,

23 de junho de 2010 | 18h03

WASHINGTON- O ministro de Defesa israelense, Ehud Barak, afirmou nesta quarta-feira, 23, que seu país está disposto a avançar no processo de paz e deixar para trás as tensões das últimas semanas, após o ataque de Israel a uma flotilha de ajuda humanitária que se dirigia para Gaza.

 

Veja também:

linkMinistro da Defesa de Israel critica plano para demolir casas palestinas

linkAgência da ONU questiona eficácia de alívio de bloqueio a Gaza

lista Entenda o bloqueio de Israel a Gaza

 

Barak fez estas declarações antes de se reunir com a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, com quem deve discutir o bloqueio a Gaza e o processo de paz para retomar as conversações diretas entre israelenses e palestinos.

 

"Estamos totalmente comprometidos a trabalhar junto à secretária para encontrar a maneira de seguir adiante com o processo de paz em Israel e deixar de lado todas as dificuldades que surgiram nas últimas semanas", disse o ministro.

 

"Temos que deixá-las para trás e cooperar para nos concentrarmos em como mudar a direção dos acontecimentos em toda a região", acrescentou.

 

Hillary, por sua vez, deu as boas-vindas a um "velho amigo", que "sem dúvida está profundamente envolvido em cada decisão importante que afeta a segurança de Israel e as perspectivas de paz".

 

A secretária se disse interessada em discutir um amplo leque de assuntos, entre os quais, segundo adiantou o Departamento de Estado, estarão a situação a respeito da Síria e do Irã e ameaça representada pelo Hamas e pelo Hezbollah.

 

Na semana passada, Israel cedeu à pressão internacional para levantar parcialmente o embargo a Gaza, após o assalto israelense a uma frota humanitária em 31 de maio no qual nove civis turcos morreram e dezenas de pessoas ficaram feridas.

 

Israel impôs um bloqueio comercial e humanitário sobre Gaza em junho de 2007, quando o movimento islâmico palestino Hamas tomou à força o controle da faixa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.