Ministro da Educação iraniano renuncia

Mahmoud Farshidi é o sexto a sair, gerando rumores sobre possíveis divergências com o presidente

EFE

02 de dezembro de 2007 | 13h43

O ministro da Educação do Irã, Mahmoud Farshidi, apresentou sua renúncia ao presidente do país, Mahmoud Ahmadinejad, tornando-se o sexto alto funcionário a abandonar o governo nos últimos meses.  Segundo os meios de comunicação iranianos, que não revelaram os motivos da saída de Farshidi, Ahmadinejad aceitou o pedido do ministro, que, ao que tudo indica, deverá ser substituído por Ali Ahmadi, presidente da Universidade de Byam Nuor, em Teerã. Ahmadi já tinha sido indicado pelo presidente do país para a pasta de Cooperação, mas o Parlamento não aprovou sua nomeação.  Vários comentaristas locais atribuem a renúncia de Farshidi aos "graves problemas financeiros" que o Ministério da Educação atravessa.  Farshidi é o segundo ministro e o sexto alto funcionário a deixar o governo nos últimos cinco meses. Também já entregaram seus cargos os titulares das pastas de Petróleo, Kazem Waziri Hamaneh, e Indústria, Ali Reza Tahmasebi, assim como o presidente do Banco Central, Ebrahim Sheibani. Outros que deixaram o alto escalão foram o principal negociador iraniano para assuntos nucleares, Ali Larijani - substituído por Saeid Jalili -, e o vice-secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã (CSSN), Abdolreza Fazli.  Todas essas renúncias gearam rumores sobre possíveis divergências no governo do presidente Ahmadinejad, o que foi desmentido por vários porta-vozes do gabinete.

Tudo o que sabemos sobre:
irã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.