Ministro turco informa postura de seu país em crise com curdos

A Turquia enviou dezenas de milhares de seus soldados à fronteira com o Curdistão iraquiano

EFE,

28 de outubro de 2007 | 06h27

O ministro de Assuntos Exteriores turco, Ali Babacan, explica neste domingo, 28, às principais autoridades iranianas a postura de Ancara na crise entre Iraque e Turquia pelo Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), segundo fontes oficiais. Babacan chegou na noite deste sábado a Teerã para uma visita de 24 horas, e deve se reunir com seu colega iraniano, Manouchehr Mottaki, e com o presidente do Parlamento, Haddad Adel. Sua visita ao Irã faz parte de uma viagem que o levou na semana passada a Egito, Líbano, Arábia Saudita, Kuwait e Iraque, e acontece antes da reunião que os países vizinhos do Iraque realizarão nos dias 2 e 3 de novembro na Turquia. A crise na fronteira entre Turquia e o Curdistão iraquiano centrou uma conversa telefônica que o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, teve ontem à noite com seu colega turco, Abdullah Gül, na qual ambos coincidiram em que "os terroristas (em aparente alusão ao PKK) não são amigos dos povos do Iraque, Irã e Turquia", segundo a agência "Irna". O Irã também tem população curda, e se informa freqüentemente de enfrentamentos no noroeste do país entre o Exército e milicianos curdos do rebelde Partido para Vida Livre do Curdistão (Pejak), aliado do PKK. A Turquia enviou dezenas de milhares de seus soldados à fronteira com o Curdistão iraquiano e ameaça realizar uma incursão militar nessa região para perseguir os milicianos do PKK caso fracassem os esforços diplomáticos para solucionar a crise. A delegação iraquiana de alto nível que viajou para Ancara para tentar chegar a um acordo com o Governo turco que impeça a escalada militar na fronteira concluiu ontem sua visita nesse país sem obter qualquer resultado. O presidente da zona autônoma do Curdistão iraquiano, Massoud Barzani, insistiu, enquanto isso, em que não entregará nenhum curdo a Ancara ou a "qualquer outro país da região", mas reafirmou que não permitirá que a guerrilha do PKK atue contra a Turquia desde as regiões curdas iraquianas. Em entrevista divulgada na noite de sábado pela televisão "Al Jazira", Barzani reiterou que o PKK não tem nenhuma sede nas cidades curdas iraquianas, e convidou a União Européia, a Liga Árabe e o Parlamento turco a enviar uma comissão investigadora à região para comprovar suas afirmações.

Tudo o que sabemos sobre:
TURQUIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.