Mitchell está frustrado com postura de Israel em negociações de paz

Enviado especial dos EUA diz que quer ver 'mais progressos' por parte do Estado judeu, diz 'Ha'aretz'

estadão.com.br e Efe

29 de junho de 2010 | 10h36

JERUSALÉM - O enviado especial dos EUA para o Oriente Médio, George Mitchell, está frustrado pela conduta do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, nas conversas de proximidade com os palestinos, disse ao jornal israelense Ha'aretz nesta terça-feira, 29, um funcionário do governo americano. Segundo a fonte, Mitchell espera que Israel faça mais progressos em assuntos essenciais para a resolução dos conflitos na região.

 

Veja também:

linkNão haverá Estado palestino até 2012, diz Israel

 

Segundo o Ha'aretz, a fonte disse que Mitchell quer ver mais "seriedade" de Israel em pontos sensíveis das discussões. "Queremos coisas Mai rápidas e que façam progresso em uma série de assuntos. Até agora o progresso foi insuficiente", disse o funcionário.

 

Ele ainda disse que o governo gostaria que Netanyahu mostrasse mais vontade para discutir significativamente assuntos essenciais e de ver os palestinos se abrindo para negociações diretas com os israelenses.

 

O chefe das negociações palestino, Saeb Erekat, porém, disse que a negociação direta passa por um acordo prévio em questões como a segurança, as fronteiras e a completa paralisação da construção de novos assentamentos em Jerusalém. "Essas são nossas exigências", manifestou o palestino.

 

A questão dos assentamentos em Jerusalém também é um ponto delicado nas negociações. Os palestinos reclamam a porção oriental da cidade como a capital de seu futuro Estado e pedem que Israel congele a ampliação das colônias judaicas na área, o que os israelenses se recusam a fazer.

 

Até agora, quatro rodadas de negociações até agora, durante as quais Mitchell viaja de Ramallah a Jerusalém para conversar com as autoridades israelenses e da Autoridade Nacional Palestina (ANP), que expõem suas demandas ao americano, embora os palestinos tenham detalhado bem mais suas posições. "Não oferecemos uma lista de questões a nenhum dos lados. Cada um deles nos deu uma lista de pontos a serem discutidos e partir de então fizemos os questionamentos", disse a fonte.

 

Ela disse também que os problemas levantados pelos israelenses e pelos palestinos não eram idênticos, mas que havia algum consenso. "Ninguém está se recusando a discutir as coisas que Mitchell quer debater", disse.

 

Segundo fontes do governo israelense ouvidas pelo Ha'aretz, as frustração de Mitchell vem do fato de Israel não ter dado nenhuma resposta a respeito do problema das fronteiras de um futuro Estado palestino. Durante as primeira reuniões, Netanyahu se dedicou a debater problemas periféricos, como água, relações econômicas e o desenvolvimento da "cultura de paz".

 

Mitchell chega a Israel na quinta-feira para mais uma rodada de conversas entre Israel e a ANP. O americano deve chegar à região ainda nesta semana para novos diálogos. As negociações indiretas mediadas pelos EUA foram retomadas há poucos meses após um longo período de paralisação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.