Moderados do Irã questionam táticas atômicas do presidente

O maior partido reformista do Irãquestionou abertamente a política nuclear do presidente MahmoudAhmadinejad na sexta-feira, um dia depois de os Estados Unidosterem imposto novas sanções contra a República islâmica. A Frente de Participação Irã Islâmico também advertiu sobreo recrudescimento da crise com a comunidade internacional,pedindo a revisão da política nuclear iraniana. "O governo devia acabar com suas políticas aventureiras",disse Mohsen Mirdamadi, secretário-geral do partido, a umpúblico de 200 pessoas durante uma reunião do partido. Na quinta-feira, os Estados Unidos classificaram a GuardaRevolucionária iraniana como proliferadora de armas dedestruição em massa, e acusaram a força Qods de dar apoio aterroristas. O governo norte-americano também impôs sanções amais de 20 empresas, bancos e pessoas físicas do Irã. Mirdamadi criticou a retórica anti-Ocidente do presidenteAhmadinejad, afirmando que o Irã está ficando cada vez maisisolado desde que ele assumiu o poder, em 2005. "Podemos impor o sofrimento das sanções e outras medidasseveras a nossa nação, como resultado de uma auto-exaltaçãoilógica e irreal?", disse Mirdamadi ao público, que incluía oex-presidente reformista Mohammad Khatami. "Podemos exibir uma imagem brutal e aventureira da naçãoiraniana com nossa conduta inadequada e com discursosimpróprios?" É raro que haja críticas internas sobre a política nucleariraniana, já que o assunto é considerado questão de segurançanacional. Os reformistas acham que o Irã deveria suspender oenriquecimento de urânio, retomando a postura do ex-presidenteKhatami. Países do Ocidente acusam o Irã de estar desenvolvendoarmas atômicas. O Irã afirma que só quer gerar energiaelétrica. "Ahmadinejad adotou as táticas erradas, que estãoempurrando o país na direção de um grave confronto com omundo", disse Mirdamadi à Reuters. Embora a última palavra em questões de Estado seja do lídersupremo aiatolá Ali Khamenei, muita gente responsabiliza ogoverno de Ahmadinejad pelo impasse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.