Moradores de Bani Walid pedem invasão dos rebeldes

Líbios afirmam que partidários de Kadafi ameaçam atirar em quem deixa a cidade

Reuters

15 Setembro 2011 | 14h14

BANI WALID - Exaustos após semanas sem alimentação e água adequadas, refugiados de Bani Walid, um dos últimos redutos das tropas do ditador da Líbia, Muamar Kadafi, imploraram aos combatentes que apoiam os rebeldes a resgatarem suas famílias presas dentro da cidade sitiada.

 

Veja também:
forum OPINE: 
Onde se esconde Kadafi?
especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia
lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

 

Bani Walid, um dos últimos focos de resistência do ditador, está sob cerco há duas semanas, com partidários de Kadafi escondidos e resistindo bravamente ao avanço das tropas do Conselho Nacional de Transição, o órgão de governo dos rebeldes.

 

As forças rebeldes cessaram fogo esta semana para dar aos civis a chance de fugir antes de atacarem Bani Walid. Um terreno difícil com traiçoeiras colinas e vales íngremes também manteve o avanço das tropas em cheque, com a maior parte dos atiradores de Kadafi e seus lançadores de foguete concentrada em uma parte mais alto dentro da cidade.

 

 

Mais de um quarto dos cerca de 100 mil habitantes de Bani Walid já fugiram, mas os moradores disseram que muitas pessoas estavam presas porque os temidos milicianos de Kadafi ameaçavam atirar em quem saísse de casa.

Alguns refugiados estavam furiosos com a falta de progresso. "O que vocês estão esperando?" gritou Ramadan Karim depois de cruzar as linhas e parar em um posto de controle de combatentes rebeldes no norte da cidade. Brandindo seu punho e se debruçando pela janela do carro, ele gritou aos soldados: "Vão agora! Resgatem-nos! Nosso povo está preso lá dentro! É uma cidade fantasma! Já chega! Já chega!"

Com os soldados do Conselho Nacional de Transição parados em suas posições, alguns civis aproveitaram a calmaria na luta para alcançar seus parentes eles mesmos. "Minha família está presa lá dentro", disse um homem, Sharef Saleh, enquanto dirigia para Bani Walid. "Eu vou resgatá-los. Não tenho medo."

Embora seus números estejam em algumas centenas, milicianos de Kadafi estão resistindo mais bravamente do que se esperava, atacando as posições de seus inimigos com lança-foguetes e ameaçando civis via mensagens de rádio.

O novo Exército Nacional da Líbia, implantado pelo CNT de Trípoli e outras cidades grandes, está reforçando posições enquanto se prepara para um ataque em grande escala depois que tentativas anteriores de retomar a cidade, lideradas por combatentes locais menos experientes, fracassaram no início deste mês.

Os rebeldes estão desesperados para evitar outra tentativa frustrada de retomar a cidade - um evento que poderia arruinar os esforços de Trípoli de colocar o país firmemente no caminho da reconstrução.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.