Morre chefe da Al-Qaeda ligado aos ataques de Londres

Oficial americano afirma que o egípcio Obaidah al-Masri morreu de causas naturais, provavelmente hepatite

Associated Press e Reuters,

09 de abril de 2008 | 12h46

Um oficial das forças antiterrorismo dos Estados Unidos afirmou nesta quarta-feira, 9, que Abu Obaidah al-Masri, chefe da Al-Qaeda responsável pelos ataques às forças norte-americanas nas zonas tribais do Afeganistão e do Paquistão, morreu aparentemente de "causas naturais".   Sob condição de anonimato, o oficial afirmou que o egípcio morreu possivelmente de hepatite. A autoridade americana confirmou que Masri era suspeito do plano de explodir aviões sobre o oceano Atlântico. O jornal The Washington Post também chegou a informar em 2006 que ele seria o elo da rede Al-Qaeda com células britânico-paquistanesas que realizaram os ataques de 7 de julho de 2005, em Londres, contra o transporte público. As bombas mataram 56 pessoas.   "Ele era alguém ... que tinha laços com operações fora da região do sul da Ásia. A Al-Qaeda perdeu algo quando este homem morreu", disse a fonte, mas ressaltou que "eles possuem capacidade de se reorganizar".   A fonte, no entanto, negou-se a falar sobre o paradeiro de Masri quando ele morreu. A maioria das lideranças importantes da Al-Qaeda estaria em áreas remotas do Paquistão, perto da fronteira do Afeganistão. Masri já foi considerado morto em um ataque com míssil em 2006 no Paquistão, e no mesmo ano escapou de outro ataque a míssil em outra região paquistanesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.