Morte de civis iraquianos chega a 151 mil desde invasão, diz OMS

Cerca de 151 mil civis iraquianos forammortos entre o início da ocupação norte-americana, em março de2003, e junho de 2006, segundo dados divulgados na quarta-feirapela Organização Mundial da Saúde (OMS). Essa estimativa é uma média da variação estimada pela OMS-- entre 104 mil e 223 mil mortos. O estudo, considerado o maisabrangente desde o início da guerra, se baseou em uma pesquisafeita pelo Ministério da Saúde iraquiano em quase 10 milresidências -- o quíntuplo de um polêmico estudo daUniversidade Johns Hopkins (EUA), de 2006, que indicava mais de600 mil mortos iraquianos no período. Embora a cifra da OMS seja bem inferior àquela, supera delonge a soma da entidade Iraq Body Count, que calcula, com baseem relatos de hospitais e necrotérios, que a guerra já tenhamatado entre 80 mil e 87 mil iraquianos. "Há muitas incertezas ao fazer tais estimativas", disse oestatístico da OMS Mohamed Ali, co-autor do estudo, ajornalistas. Segundo ele, a violência torna inacessíveis aospesquisadores partes de Bagdá e da província de Anbar. Asentrevistas incluíam também questões sobre gravidez e doenças. Muitas famílias também fugiram de suas casas e até mesmo dopaís por causa dos ataques, o que dificulta ainda mais umaavaliação precisa da situação. Por isso, segundo Ali, a margemde erro é tão grande. O relatório da Johns Hopkins, publicado na revista médicabritânica The Lancet, foi criticado pela Casa Branca e poroutros por aparentemente exagerar o número de vítimas daguerra. Saleh Al Hasnawi, ministro iraquiano da Saúde, disse que onovo relatório é "muito sólido", por se basear em pesquisas queindicam "um enorme saldo de mortos desde o início do conflito"."Acredito nesses números", afirmou ele na entrevista coletivapor telefone da OMS. A Casa Branca disse não ter visto o estudo da OMS, mas quelamenta a morte de civis iraquianos. Desde o início da guerra, foram registradas também asmortes de 3.915 militares norte-americanos e de 174 militaresbritânicos. Não há dados oficiais sobre o número de militaresiraquianos mortos, apenas uma estimativa -- entre 4.900 e6.375.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.