Mortos em Nahr Al Bared superam 400, diz Exército libanês

Militares tomam o controle de campo de refugiados após 15 semanas do pior conflito desde o fim da guerra civil

REUTERS

04 de setembro de 2007 | 09h43

O ministro da Defesa do Líbano disse nesta terça-feira, 4, que o Exército matou pelo menos 222 militantes em 15 semanas de combates em um campo de refugiados palestinos no norte libanês.Pelo menos 42 civis e 163 soldados também morreram, o que eleva o total de vítimas fatais a mais de 400. Este foi o pior momento de violência interna no Líbano desde o fim da guerra civil (1975-90).O Exército assumiu finalmente, no domingo, o controle do campo de Nahr Al Bared, após mais de três meses de intensos combates, inclusive com bombardeios aéreos, marítimos e terrestres contra militantes ali entrincheirados.O campo havia sido dominado pelo grupo Fatah al-Islam, ideologicamente inspirado na Al Qaeda. Seus militantes são em geral árabes de outros países, muitos com passagem pela insurgência no Iraque.O ministro da Defesa, Elias Al Murr, disse que 202 militantes foram capturados em combates, enquanto um número desconhecido foi sepultado em valas comuns dentro do campo de refugiados, que ficou muito destruído."Esta vitória erradicou a maior ameaça que o povo libanês enfrenta, porque a Fatah Al Islam estava espalhada como células cancerígenas para atacar cada parte da nação", disse Murr em entrevista coletiva."A organização visava isolar o norte do Líbano e criar um emirado terrorista", disse ele.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBANOQAEDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.