Mulher-bomba mata pelo menos 11 pessoas no Iraque

Terroristas planejavam duplo ataque, mas homem não consegue detonar explosivo e é preso; 19 foram feridos

Associated Press e Agência Estado,

08 de outubro de 2008 | 10h47

Uma mulher-bomba matou 11 pessoas em um atentado no centro de Baquba nesta quarta-feira, 8, informaram funcionários iraquianos. O ataque, que também deixou 19 feridos, ocorreu em frente a um fórum em Baquba, capital da província de Diyala, uma das áreas mais violentas do país.   O chefe do conselho provincial, Ibrahim Bajilan, disse que aparentemente tratava-se de um duplo atentado suicida. Porém o homem que acompanhava a suicida e também detonaria explosivos falhou e foi preso. As forças de segurança isolaram a área imediatamente após o incidente para facilitar a retirada dos feridos.     Baquba e as áreas vizinhas sofrem com o aumento dos atentados realizados por mulheres-bomba, nos últimos meses. Isso apesar dos esforços dos Estados Unidos para recrutar e treinar mais mulheres para as forças iraquianas. Baquba é um ex-bastião da Al-Qaeda, localizado 60 quilômetros a nordeste de Bagdá.   Uma das "vantagens" das mulheres-bomba é que suas vestes largas facilitam que os explosivos sejam escondidos. Além disso, elas geralmente não passam por algumas das revistas a que os homens são submetidos.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.