Na Cisjordânia, Rice diz ser possível acordo de paz em 2008

A secretária de Estadonorte-americana, Condoleezza Rice, disse na terça-feira queainda acredita ser possível a assinatura neste ano de um acordode paz entre Israel e os palestinos e conclamou os dois lados aretomarem as negociações. "Eu acredito que isso ainda pode ser feito", afirmou Rice arespeito das chances de selar um acordo sobre a criação de umEstado palestino ainda em 2008. Em Ramallah (Cisjordânia), ao lado do presidente palestino,Mahmoud Abbas, a secretária de Estado acrescentou: "Aguardamospela retomada dessas negociações o mais rápido possível." Durante sua passagem pelo Cairo, Rice disse que apenas asnegociações entre Israel e a Autoridade Palestina poderiamlevar a uma paz duradoura. "As negociações precisam ser retomadas o quanto antes",afirmou a repórteres no Cairo, onde conversou com líderesegípcios sobre como acabar com a crise na Faixa de Gaza eacalmar Abbas, um dirigente que conta com o apoio de potênciasocidentais. Segundo o Ministério da Saúde palestino, soldadosisraelenses mataram 123 palestinos, em sua maioria civis, emuma operação de cinco dias no norte da Faixa de Gaza. Israeldisse ter lançado o ataque para impedir militantes islâmicos decontinuarem disparando foguetes contra seu território. A operação terminou na segunda-feira, mas ainda ocorremchoques esporádicos entre as forças inimigas. Rice disse que Israel tinha o direito de defender-se e queo Hamas tentava atrapalhar as negociações sobre a criação de umEstado palestino. O governo norte-americano espera que esse processo, do qualparticipam Abbas e o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert,resulte em um acordo antes do final deste ano. "O Hamas está agindo conforme o esperado, ou seja, estáusando os ataques com foguete contra Israel para suspender umprocesso de paz com o qual não ganharia nada", afirmou asecretária de Estado. Abbas suspendeu o diálogo com Israel devido à invasão daFaixa de Gaza. Olmert pediu a retomada das negociações, masameaçou lançar novas operações militares contra o territóriocontrolado pelo Hamas a fim de coibir o disparo de foguetes. Segundo Rice, qualquer suspensão demorada dos esforçosdiplomáticos significaria uma vitória do Hamas, que assumiu ocontrole sobre a Faixa de Gaza em junho passado, após expulsardali a facção Fatah, de Abbas. O Hamas, criticado pelo Ocidente por recusar-se a rejeitara violência e a reconhecer o Estado judaico, afirmou que amissão de Rice não passava de uma armação. "Não há qualquer processo de paz ou negociações", afirmou àReuters Sami Abu Zuhri, uma autoridade do grupo islâmico. "Riceestá tentando justificar o fato de Israel eximir-se do processode paz ao ligar isso com os foguetes Qassam (do Hamas)."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.