Na luta contra o terror, EUA focam no Paquistão e Afeganistão

Americanos estão preocupados com reorganização da Al-Qaeda e Taleban em áreas paquistanesas e afegãs

Associated Press,

28 de janeiro de 2008 | 03h28

A administração Bush tenta alavancar as ações no Afeganistão, principal objetivo pós-11 de Setembro. E os Estados Unidos também estão se voltando mais para o Paquistão, onde facções da Al-Qaeda promovem ameaças. Militares norte-americanos dizem que as áreas de risco paquistanesas estão no centro da luta contra o extremismo islâmico; mais do que o Iraque, ou mesmo o Afeganistão. Essas áreas periféricas ao leste do Afeganistão provêem regiões para a Al-Qaeda e membros do taleban se reorganizarem. Na semana passada, o secretário de Defesa, Robert Gates, disse que enquanto os Estados Unidos respeitarem os direitos do governo paquistanês para decidir que ações são necessárias para derrotar os extremistas, haverá razões para preocupar-se que a Al-Qaeda promova mais do que uma ameaça. "Estamos todos interessados em restabelecer a segurança", disse Gates. No entanto, segundo ele, seria irreal assumir que todos os planos desenvolvidos estão focados, estritamente, no Paquistão. O Pentágono diz que tem menos de 100 tropas no Paquistão, incluindo pessoas que estão treinando os paramilitares paquistaneses na região oeste, ao longo da fronteira com o Afeganistão. Militares norte-americanos têm usado ainda inspeções aéreas para capturar Osama bin Laden e outros comandantes da Al-Qaeda que devem estar se escondendo nas proximidades da fronteira afegã. Oficiais norte-americanos disseram que operações especiais estão posicionadas naquela região. Há alguns dias, oficiais da administração dos Estados Unidos disseram que enviariam mais tropas ao Paquistão, se o governo paquistanês decidisse colaborar de maneira mais efetiva. Por sua vez, na sexta-feira, o presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, disse que seu país é contrário a qualquer força estrangeira.  Os dois oficiais da inteligência norte-americana fizeram uma visita secreta ao Paquistão no começo de janeiro atrás de uma permissão de Musharraf para maior envolvimento das forças americanas na tentativa de expulsar a Al-Qaeda da região. O número de tropa americanas no Afeganistão tem crescido nos últimos dois anos, caracterizando-se já como o maior aumento desde que a guerra começou em outubro de 2001. Há uma forte pressão da comunidade internacional para encontrar alguma solução para o país.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoAfeganistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.