Na passagem de Gates, 23 morrem em ataques ao Iraque

Em visita-surpresa ao país, secretário de Defesa americano diz que estabilidade é viável

BBC,

05 de dezembro de 2007 | 11h03

No dia em que o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, chegou em uma visita-surpresa ao país, quatro carros-bomba explodiram e mataram pelo menos 23 pessoas, incluindo uma em Mossul, onde o representante se reuniu com comandantes militares americanos.   Veja também: Gates afirma que estabilidade é viável Secretário de Defesa faz visita ao Iraque Atentado contra ônibus mata 13 no Afeganistão Ocupação do Iraque    Gates está na cidade para avaliar o "progresso considerável" na redução da violência desde a sua última visita, segundo confirmaram fontes militares. O atentado em Mossul matou uma pessoa e feriu outras sete, depois que um veículo estacionado explodiu enquanto uma patrulha de segurança passava no local. Ataques terroristas mataram ainda 15 pessoas no centro da Bagdá, cinco pessoas em Baquba e pelo menos duas em Kirkuk.   Gates encontrou-se com líderes iraquianos, incluindo o primeiro-ministro Nouri al-Maliki, e conversou com o comandante das tropas americanas no país, general David Petraeus.   Em entrevista coletiva concedida após os encontros, o secretário disse estar convencido de que a estabilidade pode ser alcançada no Iraque, apesar dos desafios que ainda restam por superar.  "A situação está melhorando, e é possível conseguir um Iraque seguro e estável", disse Gates.   Ele ressaltou ainda o declínio da violência no país nos últimos meses, o que teria levado a um crescimento substancial no número de refugiados que retornaram para suas casas, assim como o aumento dos investimentos internacionais no Iraque.   Esta é a sexta visita do secretário ao país em um ano. Gates também ouviu dos comandantes dos EUA no país sobre como eles planejam manter as melhorias obtidas na segurança, além de discutir o papel e o status das forças norte-americanas em longo prazo no Iraque.   O porta-voz do Pentágono Geoff Morrell afirmou que Gates quer avaliar a situação e ver o que mais pode ser feito para capitalizar os ganhos que foram feitos desde o aumento das forças dos EUA no Iraque   Os ataques no Iraque caíram desde que os reforços americanos terminaram de chegar, em meados de junho, o que coincidiu também com o crescente uso do policiamento comunitário nos bairros e aldeias.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueRobert GatesEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.