Nações condenam atentado na Síria

Explosão de carro-bomba provocou a morte de 17 civis e deixou 14 feridos em um bairro de Damasco

EFE,

27 de setembro de 2008 | 15h59

O Egito, a Jordânia e o Líbano condenaram firmemente o atentado com carro-bomba deste sábado, que causou a morte de 17 civis e deixou 14 feridos em um bairro de Damasco, informaram agências árabes de notícias.   O presidente egípcio, Hosni Mubarak, enviou uma mensagem ao chefe de Estado sírio, Bashar al-Assad, para expressar seus pêsames devido às vítimas do ataque terrorista.   Além disso, o rei da Jordânia, Abdullah II, mostrou sua mais enérgica condenação ao atentado terrorista ao líder sírio, a quem lhe transmitiu também "a solidariedade do Governo e do povo jordanianos para ajudar a Síria a superar os dolorosos efeitos do ataque".   O primeiro-ministro libanês, Fouad Siniora, afirmou que "o atentado cometido em um bairro de Damasco e que matou muitos civis inocentes é um crime terrorista repudiável e inaceitável, seja qual for seu objetivo".   O ataque terrorista, no qual morreram pelo menos 17 pessoas e 14 ficaram feridas, foi feito por volta das 8 horas de Damasco (2 horas de Brasília), na estrada que liga a cidade ao aeroporto internacional, em uma zona onde se encontram vários centros de segurança do Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaAtentato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.