Não haverá misericórdia com manifestantes da oposição, diz Irã

Partidários de Mir Hossein Mousavi aproveitaram protestaram contra regime do aiatolá e foram reprimidos

Reuters,

08 de dezembro de 2009 | 10h32

O governo do Irã prometeu "não demonstrar misericórdia" em relação às manifestações da oposição, vistas como uma ameaça à segurança nacional, disse uma fonte judicial nesta terça-feira, 8, um dia depois de milhares de estudantes realizarem passeatas contra a gestão do atual presidente, Mahmoud Ahmadinejad.

 

"De agora em diante, não iremos demonstrar misericórdia com relação a quem age contra a segurança nacional. Estes serão confrontados com firmeza", disse o promotor Gholamhossein Mohseni-Ejei, segundo a agência oficial de notícias Irna.

 

A segunda-feira foi marcada pelo maior protesto dos últimos meses contra o governo. Os manifestantes foram duramente reprimido pelas forças de segurança com cassetetes e gás lacrimogêneo.

 

Os protestos desta semana, embora menores, ecoam as manifestações ocorridas depois da eleição presidencial de junho, que segundo a oposição foi fraudada. Desta vez, porém, a atmosfera parecia mais radical, com gritos contra o regime clerical, e não só contra a reeleição de Ahmadinejad. Analistas dizem que os estudantes representam um bastião de apoio ao líder oposicionista Mirhossein Mousavi.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprotestosaiatolá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.