Navio com ajuda parte da Grécia para Gaza

Um navio carregado com ajuda para os palestinos deve partir nesta sexta-feira ou no sábado de manhã da Grécia para a Faixa de Gaza, apenas cerca de um mês depois da sangrenta invasão israelense de uma frota de barcos com auxílio humanitário que tentava quebrar o bloqueio imposto ao empobrecido território.

REUTERS

09 de julho de 2010 | 16h03

Uma entidade beneficente presidida pelo reformista Saif al-Islam Gaddafi, filho do líder da Líbia, está organizando a viagem e informou que a embarcação vai levar cerca de 2.000 toneladas de alimentos e remédios, seguindo as leis internacionais.

Nove ativistas pró-palestinos morreram em maio quando fuzileiros navais israelenses invadiram um navio turco que encabeçava um comboio humanitário com destino a Gaza. O fato desencadeou protestos em todo o mundo, uma crise nas relações turco-israelenses e a condenação de Israel pelo Conselho de Segurança da ONU.

Israel afirmou que seus comandos agiram em autodefesa por terem sido atacados com facas e paus quando entraram no navio.

"Estamos fazendo o que podemos. Se todo mundo recuar e dizer que os israelenses não vão permitir, nada acontecerá e o povo de Gaza vai morrer de fome", disse Youssef Sawani, diretor-executivo da Gaddafi International Charity and Development Foundation, a entidade que organiza a viagem para a entrega da ajuda.

"Esperamos que tudo transcorra tranquilamente", disse ele a jornalistas nesta sexta-feira, a bordo do Amalthea, rebatizado como Esperança para esta viagem.

Dez partidários da entidade estarão a bordo, bem como 12 tripulantes, disse Sawani, no porto de Lavrio, no sudeste da Grécia. Os ativistas são dez líbios, um nigeriano e um marroquino. A tripulação inclui cubanos, haitianos, sírios e indianos.

"Tentaremos explicar aos outros que apenas estamos ajudando pessoas. Nada temos no navio que não seja arroz, óleo, tomates e farinha. Não levamos armas", afirmou Fabdalraof Jaziri, um engenheiro líbio que participará da viagem.

Israel alega que seu bloqueio é necessário para impedir a entrada de armas e materiais que possam ser usados com propósitos militares pelos militantes do grupo Hamas, que governa a Faixa de Gaza.

Depois da invasão do navio em maio, fato que causou indignação mundial, Israel anunciou medidas para aliviar o bloqueio e abriu um inquérito sobre o incidente.

Sawani disse que a viagem deve levar de 70 a 80 horas.

(Reportagem de Gina Kalovyrna)

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDGRECIAGAZANAVIOAJUDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.