Negociação sobre trégua com Hamas termina sem acordo

Uma nova rodada de negociaçõesentre o Egito e os grupos palestinos Hamas e Jihad Islâmicachegou ao fim na quinta-feira sem um acordo sobre uma tréguacom Israel. Tanto o Hamas quanto a Jihad Islâmica rejeitaram apossibilidade de um cessar-fogo sem que os israelenses parassemantes com as operações militares na Faixa de Gaza e naCisjordânia, colocassem fim ao bloqueio à Faixa de Gaza ereabrissem os postos de fronteira desse território costeiro. "Do lado do Hamas, deixamos clara nossa postura de que apaz precisa ser simultânea, recíproca e ampla", disse AymanTaha, porta-voz do grupo militante. Nas últimas duas semanas, integrantes do Hamas na Faixa deGaza não realizaram ataques com foguetes contra Israel. O governo israelense, que negou estar envolvido nasnegociações sobre o cessar-fogo, mas que afirmou não termotivos para atacar o Hamas caso o lançamento de foguetesterminasse, parou de atacar militantes do grupo em meio ao queparece ser uma trégua de fato entre os dois inimigos. Khader Habib, líder da Jihad Islâmica (grupo que continuoua disparar foguetes contra Israel da Faixa de Gaza, territóriocontrolado pelo Hamas), afirmou à Reuters: "A ocupação sionistadeseja que a ausência de violência limite-se à Faixa de Gaza enós dissemos que qualquer medida do tipo precisa ser ampla erecíproca." O Egito, com o apoio dos EUA, vem tentando negociar o fimdas hostilidades entre Israel e os militantes da Faixa de Gaza,um território sobre o qual o Hamas assumiu o controle em junho,expulsando dali a facção Fatah, um grupo secular ligado aopresidente palestino, Mahmoud Abbas. Os ataques de parte a parte ameaçam as negociações de pazpatrocinadas pelos EUA e realizadas entre Abbas e Israel. Ogoverno norte-americano espera que o processo resulte em umacordo antes de o presidente dos EUA, George W. Bush, chegar aofim de seu mandato, em junho. As mais recentes negociações sobre o cessar-fogo, quetambém tratam da possibilidade de reabrir o posto de fronteirade Rafah, entre o Egito e a Faixa de Gaza, foram realizadas dolado egípcio da fronteira. Desse encontro participaram Jamal Abu Hashem, membro doHamas, e Khaled al-Batsh, da Jihad Islâmica. O general MohamedIbrahim e uma outra autoridade não identificada representaram oEgito. Os dois lados concordaram com retomar as negociações, masnão fixaram uma data para o próximo encontro, disse uma fonte. Israel intensificou o bloqueio à Faixa de Gaza depois de oHamas ter assumido o controle dessa região, alimentando temoresna comunidade internacional sobre uma crise humanitária ali. Além de desejar o fim dos ataques israelenses e areabertura das fronteiras, o Hamas exigiu participação nocontrole dos postos de fronteira, algo que Israel rejeita. O grupo islâmico ignorou os apelos internacionais parareconhecer Israel, renunciar à violência e aceitar os acordosde paz interinos selados entre o Estado judaico e ospalestinos. (Reportagem de Yusri Mohamed e Nidal al-Mughrabi em Gaza)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.