Negociações de paz entre Israel e Palestina podem ser retomadas em breve

Maior ponto de discórdia entre as partes se refere à construção de assentamentos israelenses

28 de abril de 2010 | 13h02

WASHINGTON - Conversas indiretas de paz entre israelenses e palestinos podem ser retomadas em algumas semanas, disse nesta quarta-feira, 28, o vice-ministro das Relações Exteriores Danny Ayalon em sua visita a Washington, segundo informações do jornal The Guardian. As negociações seriam intermediadas pelo enviado americano ao Oriente Médio, George Mitchell.

 

Veja também

linkPrefeito nega suspensão de novos assentamentos

linkIsraelenses apoiam barreiras a ONGs e jornais

 

O primeiro-ministro israelense Benjamim Netanyahu dever viajar para o Cairo na próxima segunda-feira para discutir as negociações com o presidente egípcio, Hosni Mubarak. Mitchell também retornará ao Oriente Médio na próxima semana.

 

Em um discurso para o seu partido, o Likud, na terça-feira, Netanyahu também sugeriu que as negociações estão se aproximando. Ele disse que ouviu que Mahmoud Abbas, o presidente palestino, "tem a intenção de renovar as negociações. Eu ficarei muito contente se isso realmente ocorrer na semana que vem".

 

Autoridades palestinas disseram que irão pedir à Liga Árabe que aprove a ideia de negociações indiretas com Israel. Abbas, entrevistado por um canal israelense, Dise que os palestinos "esperam que a resposta seja positiva".

 

Não há sinal de que essa rodada de negociações, esperada para durar por pelo menos quatro meses, produzirá algum avanço. Comentários de ambos os lados sugerem que um consentimento informal foi alcançado em relação à construção de assentamentos israelenses em Jerusalém, que tem sido o principal ponto de discórdia entre os dois.

 

Ano passado, Washington pressionou Israel para parar todas as construções de assentamentos como um prelúdio paras as negociações de paz. Netanyahu se recusou, aprovando apenas um intervalo de 10 meses nas construções na Cisjordânia. Os palestinos disseram que não iriam entras nas negociações sem uma parada completa das construções de todos os assentamentos, incluindo os de Jerusalém ocidental. No mês passado, a "proximidade" de negociações indiretas colapsou em um dia depois que autoridades israelenses anunciaram a aprovação de centenas de novas casas em um assentamento em Jerusalém ocidental.

 

Desde então Netanyahu recusou qualquer compromisso público de para as construções nos assentamentos na cidade. Contudo, relatórios sugerem que autoridades de planejamento foram mandadas a não aprovar nenhum grande projeto de assentamentos. Há informações conflitantes, algumas sugerindo que é uma decisão política tática, outros dizendo que é meramente um atraso burocrático.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.