Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Negociações nucleares com Irã são retomadas em Viena

Diálogo havia sido paralisado na terça por conta de impasse sobre participação de franceses na mesa

Reuters,

21 de outubro de 2009 | 07h59

As negociações entre o Irã e potências mundiais foram retomadas na quarta-feira, 21, após novos atrasos provocados pela hesitação do Irã de endossar uma tentativa de acordo para ajudar a pôr fim a um longo impasse sobre as ambições nucleares do país. O órgão de fiscalização nuclear da ONU disse que o progresso nas negociações de três dias era mais lento do que esperado.

 

Veja também:

linkIrã e potências recebem esboço de acordo nuclear

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

Diplomatas ocidentais afirmam que o impasse se devia à hesitação do Irã em abraçar um acordo em princípio acertado em Genebra no dia 1º de outubro que prevê o envio de grande parte da reserva de urânio levemente enriquecido do Irã para a Rússia e para a França para processamento.

As negociações multilaterais, que começaram na segunda-feira, travaram na terça-feira após o Irã afirmar que não concordaria em reduzir suas atividades de enriquecimento, algo que as potências consideram essencial para qualquer acordo. O Irã também afirmou que a França não poderá fazer parte de um acordo.

Diplomatas ocidentais querem que o Irã envie cerca de 75% de seu urânio levemente enriquecido para que seja refinado e convertido em combustível até o final do ano para depois voltar ao Irã para ser usado como estoque de combustível para um reator que produz isótopos para o tratamento de câncer.

O Ocidente teme que o programa nuclear iraniano, declaradamente civil, seja um disfarce para a produção de material que pode ser usado em bombas atômicas, o que o governo de Teerã nega.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.