Negociador iraniano para crise nuclear renuncia

Ali Larijani era responsável pelos contatos com os países ocidentais que acusam Teerã de construir bomba

Associated Press e Efe,

20 de outubro de 2007 | 08h04

O principal negociador do controverso programa nuclear do Irã, Ali Larijani, renunciou ao cargo, informou o governo do país neste sábado, 20. Ele era o responsável pelos contatos com os países ocidentais que acusam Teerã de possuir planos para a construção de armamentos nucleares.   O porta-voz do governo Gholam Hossein Elham não deu razões especificas para a decisão de Larijani, que ocupava o cargo de secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional. Elham disse apenas que o diplomata pretende agora focar em "outras atividades políticas".   "Larijani pediu para sair várias vezes. Agora, o presidente Mahmoud Ahmadinejad aceitou", disse Elham.   Ainda de acordo com o porta-voz, o vice-chanceler iraniano para assuntos europeus e americanos, Saeed Jalili, deve substituir Larijani, cuja renúncia terá efeito imediato.   Os Estados Unidos e outras potências ocidentais acusam o Irã de ter planos secretos para desenvolver uma bomba atômica. Teerã rejeita a acusação, e afirma que seu programa nuclear tem fins pacíficos.   Segundo analistas, a saída confirma as suspeitas de que Larijani teve desavenças com o presidente Ahmadinejad. Os dois estariam em desacordo sobre como conduzir as negociações com o Ocidente.   Linha-dura   Considerado um político linha-dura em consonância com os líderes religiosos que de fato mandam no país, o presidente não estaria satisfeito com a abertura de Larinjani em negociar com as potências ocidentais.   Embora tenha apontado pessoalmente Larijani para o cargo, Ahmadinejad teria sucumbido às pressões do supremo líder iraniano, Aiatolá Ali Khamenei, que seria favorável a uma postura mais dura nos contatos com o Ocidente.   O porta-voz Elham destacou, no entanto, que a política iraniana para questão nuclear não deve mudar com a troca. Na próxima terça-feira, 23, o novo negociador Saeed Jalili deve se encontrar com o chefe da política externa da União Européia, Javier Solana.   A renúncia acontece poucos dias após uma visita a Teerã do presidente russo, Vladimir Putin. No encontro, Putin defendeu o direito de o Irã manter um programa nuclear pacífico.   A imprensa iraniana relatou que Putin ofereceu uma nova proposta para resolver a polêmica com o Ocidente.   Texto ampliado às 10h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.