Netanyahu acusa o Irã de incitar guerra entre Síria e Israel

Premiê israelense, porém, se disse convicto de que sírios traficam foguetes para o Hezbollah

estadão.com.br

22 de abril de 2010 | 17h30

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, acusou o Irã nesta quinta-feira, 22, de tentar provocar uma guerra entre Israel e Síria ao convencer o país árabe de que um ataque israelense é iminente.

 

Em entrevista ao Canal 2, emissora israelense, Netanyahu disse que a República Islâmica quer colocar Israel e Síria um contra o outro ao dizer que os israelenses planejam ataques. Segundo o premiê, a possibilidade de um ataque do Estado judeu não passa de "uma mentira".

 

"Ao meu ver, há agitação iraniana, tanto direta quanto indireta, via Hezbollah. Com essa agitação o Irã tenta persuadir a Síria, principalmente, de que Israel está prestes a atacar", disse Netanyahu. "Isso é uma mentira. Como todos sabem, se você repetir a mentira muitas vezes, até pessoas boas podem repeti-la também. Israel quer paz, não guerra", concluiu.

 

As tensões aumentaram recentemente quando o Estado judeu acusou a Síria de traficar mísseis Scud para as guerrilhas libanesas do Hezbollah. Os árabes negaram as acusações. Os EUA investigaram as acusações, mas disseram não ter encontrado evidências das transferências de armas.

 

Apesar disso, Netanyahu não poupou a Síria e se disse convicto da participação dos árabes no tráfico de mísseis para os rebeldes libaneses. "Uma coisa que eu posso dizer é que há tráfico de armas para o Hezbollah via fronteira Síria com o Líbano. Creio que a Síria saiba a força dessa crítica sobre o tráfico de armas, mas não vou entrar em detalhes", disse.

 

Israel lutou contra o Hezbollah em 2006 e, um ano depois, bombardeou um campo sírio onde havia projetos de um reator nuclear, segundo a agência de inteligência dos EUA, a CIA.

 

O Estado judeu também se mostra interessado em estabelecer a paz com a Síria, país com o qual está em atritos desde 1967, quando tomou as Colinas de Golan na Guerra dos Seis Dias. Os israelenses creem que devolver o território aos árabes pode fazer com que deixem de apoiar o Irã, já que este país é considerado uma ameaça a Israel.

 

(Com informações das agências Associated Press e Reuters)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.