Netanyahu assegura que Síria retirou condição para negociar

Primeiro-ministro de Israel afirma que ouviu de Sarkozy que sírios aceitam dialogar com Colinas de Golã ocupada

Efe,

07 de dezembro de 2009 | 20h03

O primeiro ministro de Israel, Benjamín Netanyahu, afirmou nesta segunda-feira, 7, que a Síria retirou a precondições que impunha a Israel para voltar à mesa de negociações. O principal ponto era a saída dos israelenses das Colinas de Golã, território ocupado durante a Guerra dos Seis Dias, em 1967.

 

Em uma conferência na reunião da Comissão de Exterior e Segurança do Parlamento (Knéset), Netanyahu afirmou que a informação lhe foi transmitida recentemente pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy.

 

"Quando me reuni com Sarkozy (no mês passado), ele me disse que o sírios estão dispostos a retirar a precondição, mas não querem negociações diretas", declarou.

 

A retirada de Israel das Colinas de Golã tem sido desde sempre uma condição de Damasco para sentar e negociar um acordo de paz.

 

A última vez que Israel e Síria dialogaram visando a paz foi em 2007 e 2008, em conversações indiretas com a ajuda do governo da Turquia.

 

Netanyahu não rechaçou a possibilidade de reativar o diálogo de forma indireta, mas afirmou que neste caso, "queremos que os franceses façam este trabalho".

 

"Sarkozy disse que prefere que os turcos sigam mediando, mas eu me opus e falei que se deve haver um mediador, ele terá que ser imparcial", pontuou o primeiro-ministro israelense.

 

As relações entre Turquia e Israel se deterioraram devido à ofensiva militar que os israelenses empunharam em Gaza no final de 2008, e desde então estão sendo feitas tentativas para restabelecer o contato bilateral, mas os esforços não têm produzido muitos resultados até o momento.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelSíriaColinas de Golã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.