Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Jim Hollander/Reueters
Jim Hollander/Reueters

Netanyahu defende novos assentamentos antes de embarcar para Washington

Para premiê israelense, 'construir em Jerusalém é o mesmo que construir em Tel Aviv'

21 de março de 2010 | 18h49

Associated Press

 

JERUSALÉM- O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu disse neste domingo, 21, que informou a Washington por escrito a decisão de Israel de prosseguir com os assentamentos judeus ao redor de Jerusalém, antes de se reunir com o presidente Barack Obama.  

 

O assunto dos assentamentos, junto à crescente violência na Cisjordânia ocupada, onde forças israelenses mataram quatro palestinos em dois dias, estão desafiando os esforços do enviado americano George Mitchell para mediar conversações de paz.

 

"Nossa política em Jerusalém é a mesma política seguida por todos os governos israelenses durante 42 anos e não mudou. No que diz respeito a nós, construir em Jerusalém é o mesmo que construir em Tal Aviv", disse Netanyahu.

 

"Creio que seria de grande importância que estão coisas não fiquem no contexto de comentários ou especulações. Posteriormente escrevi uma carta, por iniciativa própria, à secretaria de Estado (dos EUA) para que as coisas fiquem claras e transparentes", acrescentou.

 

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, e Netanyahu conversaram por telefone na quinta-feira em uma tentativa de amenizar uma crise entre os Estados Unidos e Israel sobre os novos 1.600 assentamentos em Jerusalém Oriental, anunciados durante uma visita do vice-presidente Joe Biden a Israel.

 

Netanyahu viajou para Washington neste domingo para conversar com um grupo pró-Israel, e, segundo um assessor, se encontrará com Obama na segunda-feira.

 

Assuntos pendentes

 

Em seus comentários na reunião semanal do gabinete, Netanyahu pareceu dar a Mitchell uma luz ao avaliar uma demanda palestina para negociar assuntos essenciais, como fronteiras e o futuro de Jerusalém, durante conversações indiretas de paz.

 

Netanyahu sinalizou que cada lado era livre para abordar qualquer assunto, mas disse que "uma solução real aos problemas essenciais (...) só pode ser alcançada em negociações diretas de paz".

 

"A posição de Israel é muito clara", disse o premiê. "Ela ficará clara durante minha visita à capital dos Estados Unidos", acrescentou.

 

O Quarteto para o Oriente Médio (EUA, União Europeia, ONU e Rússia) pediu na sexta-feira que Israel cesse as construções das colônias.

 

Ban

 

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e o enviado dos Estados Unidos para o Oriente Médio, George Mitchell, continuaram neste domingo, 21, empreendendo esforços para retomar as negociações de paz na região, apesar de um novo desafio israelense e de mais vítimas palestinas no conflito.

 

Ban se reuniu nesta tarde com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, quem afirmou que as negociações indiretas entre Israel e a Autoridade Nacional Palestina (ANP) poderão levar a uma negociação direta.

 

A reunião ocorreu em Jerusalém depois de Ban visitar a Faixa de Gaza, onde considerou que o bloqueio ao local realizado por Israel há mais de três anos é "insustentável e errôneo".

 

Ban, que no sábado visitou a cidade cisjordaniana de Ramala, comprovou hoje na Faixa de Gaza a precária realidade em que vivem muitos habitantes um ano após o fim da ofensiva militar israelense, que deixou mais de 1,4 mil mortos e inúmeras destruições.

 

Também na Faixa de Gaza, Ban pediu que seja efetuada uma troca de prisioneiros entre as duas partes. A ideia é que tanto presos palestinos como o soldado israelense Gilad Shalit - capturado em 2006 por três milícias palestinas, entre elas a do Hamas -, possam ser libertados.

 

Em sua segunda visita a Gaza após a de janeiro de 2009, o secretário-geral da ONU novamente não se reuniu com representantes do Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde 2007. Ainda assim, o grupo islâmico mobilizou centenas de milicianos para garantir a segurança de Ban.

 

Aos esforços do secretário-geral e aos da chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, que também visitou a região nesta semana, somaram-se neste domingo os do enviado da Casa Branca, George Mitchell.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.