Netanyahu defende uso de 'todos os meios' contra o Hamas

Líder da oposição israelense é favorito nas eleições para ocupar o cargo de premiê em fevereiro de 2009

JEFFREY HELLER, REUTERS

30 de dezembro de 2008 | 12h52

Benjamin Netanyahu, apontado pelas pesquisas de opinião como o favorito para se tornar primeiro-ministro de Israel na eleição de 10 de fevereiro, disse nesta terça-feira, 30, que um governo sob sua liderança utilizaria "todos os meios necessários" para pôr fim ao governo do Hamas em Gaza. Netanyahu, chefe do partido de oposição Likud (direita), fez os comentários em uma entrevista à Reuters, dizendo ter respondido a um chamado do primeiro-ministro Ehud Olmert "para ajudar os esforços de RP (relações públicas) de Israel durante a atual operação em Gaza.   Veja também: Israel rejeita trégua e diz que esta é 'só a 1ª fase' Egito recusa abertura da fronteira com a Faixa de Gaza UE pede a Israel e Hamas que suspendam ataques   Lapouge: Israel quer restabelecer orgulho militar   Sete mil se alistam no Irã para atentados suicidas contra Israel Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos Veja imagens de Gaza após os ataques    "A ação exigida é algo que retire de cena este regime do Hamas", disse Netanyahu. Perguntado se Israel está buscando fazer isso durante a campanha militar lançada no sábado com o objetivo declarado de interromper os ataques com foguetes do Hamas, ele disse: "Se é possível fazer isso agora é algo que não acho que podemos discutir aqui. Mas isso deve ser discutido porque, no final das contas, se não o fizermos, o Hamas vai se rearmar." Netanyahu respondeu afirmativamente quando questionado se a remoção da administração do Hamas da Faixa de Gaza, território conquistado pelo grupo em 2007, seria uma meta-chave para um governo liderado pelo Likud. Com relação a como pôr fim ao controle do Hamas no enclave, ele disse, sem pestanejar: "Com todos os meios necessários para fazê-lo." Com as operações em Gaza, disse Netanyahu, Israel quer "ter certeza que os disparos de foguetes parem, mas também que a capacidade de disparar foguetes no futuro também seja interrompida." Ele não quis comentar sobre quais possíveis táticas militares Israel deve usar além dos ataques aéreos, que mataram mais de 360 palestinos, entre eles, de acordo com números da Organização das Nações Unidas (ONU), ao menos 62 civis. Três civis israelenses e um soldado foram mortos por foguetes disparados a partir da Faixa de Gaza desde o início da ofensiva, no sábado, e as forças israelenses colocaram-se ao longo da fronteira do território em uma preparação para uma possível invasão. Netanyahu disse que Israel está tentando minimizar as mortes de civis palestinos. Ele acusou o Hamas de usar civis da Faixa de Gaza como "escudos humanos" ao colocar lançadores de foguetes e armas em áreas densamente povoadas. Netanyahu foi primeiro-ministro de 1996 a 1999. Analistas israelenses disseram que a liderança dele nas pesquisas poderia ser ameaçada pelo apoio popular à campanha em Gaza promovida pelo atual governo de coalizão, liderado pelo partido Kadima (centro).

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosFaixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.