Netanyahu diz que acordo provisório de paz é alternativa

Um acordo provisório de paz entre israelenses e palestinos é uma possibilidade se as partes não conseguirem acertar detalhes sobre questões fundamentais nos diálogos de paz, declarou na segunda-feira o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

ORI LEWIS, REUTERS

27 de dezembro de 2010 | 18h43

Ao ser questionado sobre o comentário feito pelo ministro de Relações Exteriores, Avigdor Lieberman, dizendo que a melhor opção seria um pacto provisório, dada a impossibilidade de se chegar a um acordo permanente, Netanyahu respondeu:

"Se...talvez chegarmos a um (impasse) sobre Jerusalém e talvez (um impasse) sobre os refugiados, então possivelmente o resultado seria um acordo provisório. Isso é possível, eu não posso descartá-lo", disse Netanyahu durante uma entrevista à emissora de TV Channel 10, de Israel.

Foi a primeira vez que Netanyahu reconheceu a possibilidade de uma alternativa nas negociações mediadas pelos Estados Unidos. Os diálogos estão parados desde que Israel se recusou a estender o congelamento das construções na Cisjordânia em 26 de setembro. O premier não quis discutir os detalhes dessa decisão.

Um porta-voz do presidente palestino, Mahmoud Abbas, rejeitou imediatamente a possibilidade de um acordo de paz provisório, dizendo que a questão de Jerusalém e dos refugiados teria que ser resolvida e não poderia ser adiada.

"Isso é inaceitável para nós, porque excluiria duas questões vitais, Jerusalém e os refugiados. Jerusalém é uma linha vermelha, pois será a capital do futuro Estado palestino...voltar a discutir um Estado sem determinar suas fronteiras é inaceitável, e não nos conduzirá a uma paz verdadeira", disse o assessor de Abbas, Nabil Abu Rdaineh.

Netanyahu disse que se os palestinos reconhecerem Israel como um Estado judaico, ele estaria disposto a comprometer os acordos da coalizão para buscar um acordo de paz.

Tudo o que sabemos sobre:
ISRAELNETANYAHUDIALOGOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.