Netanyahu elogia sanções contra Irã

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, elogiou como um "passo positivo" a nova rodada de sanções da Organização das Nações Unidas contra o Irã por seu programa nuclear e pediu medidas adicionais contra o setor de energia de Teerã.

REUTERS

10 de junho de 2010 | 10h50

O Conselho de Segurança aprovou uma quarta rodada de sanções contra a República Islâmica nesta quarta-feira depois de cinco meses de negociações entre Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Alemanha, China e Rússia.

"Esperamos que esse passo positivo seja seguido por ações decisivas de outros países, inclusive sanções contra o setor de energia do Irã", disse Netanyahu em comunicado divulgado no final da quarta-feira.

"Essa resolução alerta o Irã de que os principais países do mundo são contra seu programa nuclear", disse ele. "A maior ameaça à paz é que os regimes mais perigosos se armem com a arma mais perigosa."

As potências do Ocidente e Israel suspeitam que o Irã esteja desenvolvendo capacidade para armas nucleares, em razão do sigilo ao redor de sua atividade nuclear frente à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e as restrições contra o acesso da agência fiscalizadora.

Israel, cujos aviões bombardearam um reator nuclear iraquiano em 1981 e uma suposta instalação nuclear na Síria em 2007, já sugeriu que poderia usar a força para impedir que o Irã tenha os meios para construir uma bomba atômica.

Israel, que acredita-se ter o único arsenal nuclear no Oriente Médio, vê um Irã nuclearmente armado como uma "ameaça à sua existência".

Tudo o que sabemos sobre:
ISRAELIRASANCOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.