Netanyahu lamenta polêmica durante visita de Biden

Primeiro-ministro de Israel disse que anúncio que gerou mal-estar com os EUA 'não deveria ter ocorrido'

estadao.com.br,

14 de março de 2010 | 08h31

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, reconheceu que o anúncio da construção de 1,6 mil casas para colonos judeus em Jerusalém Oriental durante a visita do vice-presidente norte-americano, Joe Biden, "não deveria ter ocorrido".

 

"Foi um incidente lamentável cometido em boa fé", afirmou Netanyahu no começo da reunião semanal do conselho de ministros, realizada neste domingo, 14. O primeiro-ministro de Israel disse que o episódio abriu uma "crise" com os Estados Unidos e anunciou medidas para evitar que novos incidentes similares ocorram.

 

Netanyahu convocou no sábado à noite uma reunião de urgência com seus seis principais ministros e pediu aos membros do governo, neste domingo, que não abordem o assunto com a imprensa. "Ao abrir os jornais, temos lido todo tipo de comentários e avaliações sobre a crise com os Estados Unidos. Sugiro que não nos deixemos levar e acalmemos a situação", disse.

 

A autocrítica israelense chega um dia depois que a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, definiu como "insultante" o anúncio realizado durante a visita de Biden. A posição israelense foi condenada pelo governo dos EUA e também pelas Nações Unidas.

 

O anúncio da construção de casas em Jerusalém Oriental realizado pelo Ministério do Interior israelense nesta semana enfureceu os palestinos, que querem essa parte da cidade como capital de seu futuro Estado independente. No momento do anúncio, o vice-presidente dos EUA realizava uma visita à região, a fim de incentivar a retomada das negociações indiretas de paz entre israelenses e palestinos.

 

Com informações da Efe

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelJose BidenBenjamin Netanyahu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.