Netanyahu manterá política semelhante à de Olmert sobre assentamentos

Jornal 'Haaretz' diz que premiê já apresentou proposta às autoridades americanas

estadão.com.br

13 de setembro de 2010 | 10h19

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, planeja adotar uma política parecida com a de seu antecessor, Ehud Olmert, para a construção de assentamentos na Cisjordânia durante as negociações de paz com os palestinos, disse uma fonte do governo ao jornal israelense Haaretz.

 

Veja também:

linkHillary: dois lados precisam resolver questão sobre assentamentos

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

De acordo com a fonte, Netanyahu apresentou a proposta - um congelamento parcial na construção de novas colônias - na reunião que manteve no início do mês com o presidente dos EUA, Barack Obama, com a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, e com o enviado especial dos EUA para o Oriente Médio, George Mitchell.

 

Sob o governo de Olmert, que foi vigente do início de 2006 a março de 2009, 90% das construções ocorreram em grandes assentamentos, como Ma'aleh Adumim, Gush Etzion e Ariel. As colônias também foram construídas em Jerusalém Oriental - porção da cidade sagrada reclamada pelos palestinos como capital de seu futuro Estado, mas novas casas não foram erguidas BOs bairros palestinos.

 

Os palestinos dizem que deixarão as negociações diretas de paz - retomadas no início do mês após mais de um ano e meio paralisadas - se Israel não mantiver a moratória sobre a construção de assentamentos. O congelamento termina no próximo dia 28.

 

Netanyahu, porém, afirmou que seu país não pode dar sequência a uma paralisação completa e explicou que Israel não construiria milhares de casas, mas também não poderia suspender o progresso da vida dos judeus residentes na Cisjordânia.

 

Além disso, o premiê disse não aceitar a posição do palestinos de deixar as negociações se a expansão das colônias for retomada. Segundo ele, a comunidade internacional vê o congelamento como um teste do compromisso de Israel no diálogo, mas seu país tem testes para os palestinos, pedindo que eles reconheçam o Estado judeu.

 

Netanyahu se reúne na terça com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, com o presidente do Egito, Hosni Mubarak, e com Hillary e Mitchell para mais uma rodada de negociações de paz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.