Netanyahu negocia aliança com Partido Trabalhista em Israel

Benjamin Netanyahu iniciou nesta segunda-feira negociações com o Partido Trabalhista de Israel, de centro-esquerda, para formar uma coalizão alternativa ao governo de direita que poderia causar divergências com os Estados Unidos sobre a paz no Oriente Médio.

JEFFREY HELLER, REUTERS

23 de março de 2009 | 08h40

Negociadores do partido Likud, de Netanyahu, encontraram-se com trabalhistas poucas horas após o primeiro-ministro indicado pelo presidente Shimon Peres ter recrutado o partido ultra-ortodoxo judeu Shas para a coalizão.

O Partido Trabalhista é liderada pelo ministro da Defesa de Israel, Ehud Barack, que enfrenta oposição dentro do partido ao acordo com o Likud.

A aliança com o Shas, após acordo firmado também este mês com o partido Yisrael Beitenu, do ultranacionalista Avigdor Lieberman, deixa Netanyahu mais próximo de estabelecer um governo de direita.

"Agora nós temos 53 parlamentares comprometidos com a coalizão liderada por Benjamin Netanyahu, e nos próximos dias vamos trabalhar para aumentar a base parlamentar de apoio ao seu governo", disse o parlamentar do Likud Gideon Saar.

Essa coalizão poderia colocar Netanyahu em rota de colisão com o novo presidente dos EUA, Barack Obama, que prometeu agir por um acordo de paz no Oriente Médio que inclua uma território para os palestinos.

A promessa feita por Netanyahu de indicar Lieberman como chanceler despertou preocupação internacional. Liebeman propôs transferir as terras onde a maioria dos 1,5 milhão de árabes moradores de Israel vive para um futuro Estado palestino, em troca dos assentamentos judeus na Cisjordânia ocupada.

Netanyahu, que ainda busca a maioria nos Parlamento de 120 membros, quer mudar o foco da atualmente congelada negociação com os palestinos da disputa territorial para questões econômicas.

Tudo o que sabemos sobre:
ISRAELNETANYAHUTRABALHISTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.