Netanyahu propõe reuniões quinzenais com Abbas

Líderes retomarão negociações diretas sobre a paz no Oriente Médio no próximo dia 2

Reuters

27 de agosto de 2010 | 11h32

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, propôs a realização de reuniões quinzenais com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, para melhorar as perspectivas das negociações de paz para o Oriente Médio, revelou uma fonte diplomática na sexta-feira.

 

Veja também:

linkANP não deve ceder sobre Jerusalém, diz Hamas

blog CHACRA: A eterna discussão sobre a cidade sagrada

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

Netanyahu, que na próxima semana deve viajar a Washington para conversações diretas, pretende "atuar pessoalmente nas negociações", disse a fonte, que pediu para manter o anonimato. O negociador-chefe palestino, Saeb Erekat, disse, aludindo ao plano de Netanyahu, que "é prematuro falar disso agora."

A proposta teria sido repassada para Washington, onde os dois líderes devem participar de um jantar com o presidente americano Barack Obama em 1o. de setembro.

Abbas e Netanyahu iniciarão negociações no dia seguinte, após meses de contatos indiretos. Ainda persiste um ceticismo profundo quanto às chances de fecharem um acordo.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, disse que os EUA acreditam que todas as questões principais poderão ser resolvidas no prazo de um ano. Mas o ministro de Exterior israelense, Avigdor Lieberman, declarou que virtualmente não existem chances de ser selado um acordo dentro desse prazo.

As negociações podem tropeçar em um obstáculo já em 26 de setembro, quando chega ao fim a moratória limitada de dez meses imposta por Israel à construção de unidades habitacionais novas nos assentamentos judaicos na Cisjordânia ocupada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.