Nigéria faz acusação formal contra o Irã no Conselho da ONU

Inteligência do país interceptou carregamento iraniano de armas que violariam sanções contra Teerã

Reuters,

15 de novembro de 2010 | 22h39

LAGOS- O governo da Nigéria levou ao Conselho de Segurança da ONU uma acusação formal contra o Irã por conta de um carregamento de armas clandestino apreendido no porto de Lagos, informou o ministro de Exteriores do país africano nesta segunda-feira, 15.

 

Veja também:

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

 

O serviço secreto nigeriano encontrou foguetes e outros explosivos escondidos em contêineres de materiais de construção procedentes do Irã no mês passado, artefatos que violam as sanções impostas pelo CS à República Islâmica no mês passado pela recusa do país em deter seu controverso programa nuclear.

 

Como atual membro do Conselho da ONU, a Nigéria tinha a obrigação de reportar a descoberta ao comitê de sanções do máximo órgão da entidade.

 

"Dando seguimento às investigações preliminares, nossa missão permanente em Nova York reportou a apreensão do navio de armas do Irã em cumprimento às nossas obrigações sob a resolução 1929 (da ONU)", disse o chanceler Odein Ajumogobia à Reuters.

 

Não se sabe o real destino dos armamentos, mas as investigações se concentram em dois iranianos suspeitos de serem membros de alto escalão da Guarda Revolucionária do país, segundo fontes diplomáticas e de segurança.

 

A Nigéria conseguiu interrogar um dos suspeitos, mas não pôde interrogar o segundo iraniano envolvido porque ele tem imunidade diplomática.

 

Segundo o ministro de Relações Exteriores iraniano, Manouchehr Mottaki, a carga apreendida pertencia a uma empresa privada e estava legalmente à venda para um país africano. "Um dos cidadãos iranianos deu todas as explicações aos oficiais nigerianos", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.