Uriel Sinai/Efe
Uriel Sinai/Efe

No último dia em Israel, Obama visita lugares simbólicos

Presidente passa por memorial do Holocausto e os túmulos de Theodor Herzl e Yitzhak Rabin

Reuters

22 de março de 2013 | 09h35

O presidente dos EUA, Barack Obama, visitou nesta sexta-feira, 22, os mais poderosos símbolos nacionais de Israel - o memorial do Holocausto e os túmulos do fundador do sionismo moderno, Theodor Herzl, e do primeiro-ministro Yitzhak Rabin, assassinado em 1995.

A imagem de Obama curvado em reflexão depois de depositar uma coroa de flores no memorial Yad Vashem, que homenageia os 6 milhões de judeus mortos pelo nazismo, agrega uma nova camada emocional a uma visita de três dias, cheia de gestos simbólicos e apelos pela paz.

Usando uma quipá (solidéu), Obama reavivou uma chama eterna vizinha a uma lápide que cobre cinzas retiradas de campos de extermínio após a Segunda Guerra Mundial. "Não temos escolha senão aquiescer ao mal ou tornar real o nosso voto solene, nunca mais", disse Obama.

Antes, cumprindo a tradição judaica, ele depositou pedras nos túmulos de Herzl, que morreu mais de quatro décadas antes da fundação de Israel, ocorrida em 1948, e de Rabin, que foi morto por um radical judeu que se opunha ao processo de paz com os palestinos.

Autoridades disseram que a visita de Obama ao Yad Vashem e ao cemitério do monte Herzl, em Jerusalém, se destinava a corrigir uma impressão que o presidente passou num discurso em 2009 no Cairo, em que ele pareceu argumentar que a legitimidade do Estado decorria do Holocausto.

No Yad Vashem, Obama deixou claro que reconhece as milenares raízes judaicas na Terra Santa. "Aqui na nossa terra antiga, diga-se para que todo o mundo ouça: o Estado de Israel não existe por causa do Holocausto, mas, com a sobrevivência de um forte Estado de Israel, tal Holocausto nunca mais vai se repetir", disse ele.

Obama embarca ainda na sexta-feira para a Jordânia, onde discutirá com o rei Abdullah, aliado dos EUA, problemas como a guerra civil da vizinha Síria e a dificuldade na retomada do processo de paz entre israelenses e palestinos.

Durante sua visita, Obama buscou tranquilizar o público israelense sobre o apoio dos EUA ao país, num momento de crescente tensão por causa do programa nuclear iraniano e da guerra na Síria.

Mas, em um discurso na quarta-feira, ele também disse que os israelenses deveriam pressionar seus líderes a assumirem riscos e buscarem a paz com os palestinos. Pediu à sua plateia de estudantes universitários que se colocasse no lugar dos vizinhos sob ocupação.

Na quinta-feira, Obama visitou a Cisjordânia, onde teve recepção menos calorosa do que em Israel.

Após uma última conversa na sexta-feira com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ele voltará a se reunir com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, na cidade de Belém, na Cisjordânia, onde visitará a igreja da Natividade, suposto local do nascimento de Cristo.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaIsraelEUAPalestina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.