Nobel da Paz pede a Obama foco no Oriente Médio

O vencedor do Prêmio Nobel da Paz Martti Ahtisaari pediu nesta quarta-feira ao presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, que tente resolver o conflito no Oriente Médio em seu primeiro ano no cargo, dizendo que a disputa é um nó que pode ser desatado. O ex-presidente da Finlândia e diplomata veterano recebeu o prêmio de 2008 nesta quarta-feira, na prefeitura de Oslo. A escolha dele para o prêmio, por décadas de trabalho a favor da paz em todo o mundo, havia sido anunciada em outubro. "A paz é uma questão de vontade", disse Ahtisaari ao receber o prêmio. "Todos os conflitos podem ser resolvidos, e não há desculpas para permitir que eles se tornem eternos." "Eu espero que o novo presidente dos Estados Unidos, que vai assumir no mês que vem, dê alta prioridade ao conflito no Oriente Médio em seu primeiro ano no cargo." Ahtisaari afirmou que os parceiros de Washington no Quarteto -- União Européia, Rússia e Organização das Nações Unidas (ONU) -- também precisam estar seriamente comprometidos "para que uma solução possa ser encontrada para as crises que vão de Israel e Palestina ao Iraque e ao Irã". "Se quisermos resultados duradouros, precisamos olhar para a região como um todo", disse Ahtisaari, de 71 anos, que ganhou o prêmio Nobel pelas mais de três décadas de mediação em lugares como Namíbia, Bálcãs e Indonésia. "As tensões e as guerras na região têm acontecido há tanto tempo que muitos pensam que o nó do Oriente Médio nunca poderá ser desatado", disse Ahtisaari. "Eu não divido essa crença." "Todas as crises, incluindo a do Oriente Médio, podem ser resolvidas", disse ele em discurso após receber o diploma e a medalha do prêmio Nobel. Ele foi aplaudido pelos cerca de mil convidados à cerimônia, entre os quais o rei Harald e a rainha Sonja, da Noruega. O prêmio, que muitos consideram a maior condecoração do mundo, é recebido junto com 10 milhões de coroas suecas (1,23 milhão de dólares). Ahtisaari disse que a credibilidade da comunidade internacional está em jogo, e por isso ela não pode mais fingir que toma alguma atitude sobre o conflito no Oriente Médio. Ahtisaari declarou em entrevista coletiva, na terça-feira, que é mais importante dar suporte ao enviado do Quarteto ao Oriente Médio, o ex-premiê britânico Tony Blair, do que pedir que ele participe do processo. "Fica difícil quando você tem muitos cozinheiros na cozinha." Ahtisaari disse no discurso desta quarta-feira que os mediadores não escolhem os conflitos em que se envolvem, e sim que as partes envolvidas escolhem seus mediadores. "O papel do mediador junta o de um comandante de navio, de um médico, uma parteira e de uma professora", disse o finlandês. "As únicas pessoas que podem construir a paz são os lados do conflito, e por serem eles os responsáveis pelo conflito e suas conseqüências, então eles devem receber a responsabilidade e o reconhecimento pela paz."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.