Nossa revolução nos foi roubada, dizem jihadistas da Líbia

Das montanhas do Afeganistão e das ruas de Bagdá às grades de ferro da Baía de Guantánamo, os líbios de Derna transformaram a cidadezinha deles em um grande nome da jihad global.

SULEIMAN AL-KHALIDI, Reuters

02 de outubro de 2012 | 16h18

Agora, com o fim de Muammar Gaddafi, muitos estão em casa - mas dizem que a batalha por um Estado islâmico apenas começou.

A morte do embaixador norte-americano no mês passado no consulado dos EUA em Benghazi - um ataque que, segundo Washington, pode ter envolvido militantes aliados da Al Qaeda - lançou uma luz global sobre os islâmicos armados do leste da Líbia.

Um efeito das reações hostis em casa e no exterior foi que alguns grupos islâmicos, parte de uma miscelânea de milícias que preenchem o vácuo deixado por Gaddafi, fizeram um recuo tático. Alguns declararam que suas brigadas foram desmanteladas.

Mas os combatentes islâmicos de Derna deixam claro que buscarão reparação para as injustiças, muitas das quais com pouco a ver com religião, algumas datando dos tempos coloniais, outras baseadas na percepção de que a vitória na luta contra Gaddafi iniciada por ele há anos foi "roubada" por seus antigos cúmplices e pelos bobos do Ocidente.

Embora seja difícil estimar os números, armas e alianças deles, há pouca dúvida de que Derna - uma cidade portuária de 100 mil habitantes a cinco horas de carro de Benghazi - seja o lar de centenas de homens endurecidos pela batalha que querem um Estado islâmico. E uma parcela da riqueza do petróleo que eles acreditam tenha sido negada ao leste do país, enquanto Gaddafi esmagava suas aspirações durante décadas de violência.

Salem Dirbi, um combatente islâmico veterano, acredita que a revolução dele foi sequestrada por homens que eram leais a Gaddafi e agora estão de volta ao poder, enquanto aqueles que "sacrificaram seu sangue" para derrubar o ditador foram deixados de escanteio.

"Como vocês esperam que tenhamos confiança no Estado?", perguntou Dirbi, na faixa dos 40 anos, que agora tenta se estabelecer no setor de equipamentos elétricos. "Eles estão colocando as mesmas pessoas antigas e apenas mudando seus cargos para enganar o povo."

Dirbi travou uma longa guerra contra Gaddafi. Assim como muitos dos comandantes das unidades islâmicas que ajudaram a derrubar o "irmão líder" no ano passado, Dirbi passou anos nas montanhas durante uma luta violenta de guerrilha contra ele nos anos 1990.

A cidade natal dele se vangloria de ter enviado mais militantes islâmicos para lutar em mais guerras santas (incluindo no Iraque, no Afeganistão e na Síria) do que qualquer outra cidade do mundo árabe.

Os combatentes islâmicos de hoje na cidade afirmam serem vítimas de uma conspiração, tornada clara quando foram acusados de estarem por trás do ataque ao consulado norte-americano.

"O Estado está formando essa conspiração. O Estado ignora deliberadamente o foto de que há um renascimento islâmico", afirmou Dirbi, cujo irmão estava entre os mais de 1,2 mil prisioneiros islâmicos que foram metralhados por guardas em uma prisão de Trípoli em 1996.

"Quero ver os homens de Gaddafi sendo julgados, não sendo recompensados e premiados", afirmou Dirbi em seu escritório recém mobiliado perto da mesquita de Ateeq, uma das 70 mesquitas da cidade.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAISLAMICOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.