Novo premiê promete proteger Líbano de perigos do conflito na Síria

O político libanês Tammam Salam foi nomeado primeiro-ministro neste sábado, depois de ter obtido amplo apoio parlamentar e se comprometer a costurar as profundas divisões do país e protegê-lo dos perigos da guerra civil na vizinha Síria.

DOMINIC EVANS E LAILA BASSAM, Reuters

06 de abril de 2013 | 12h13

Salam foi designado para o cargo após a renúncia do primeiro-ministro Najib Mikati, cujos dois anos de mandato foram dominados pelos esforços para conter as tensões sectárias no país, a violência e as consequências econômicas do conflito sírio.

Sua tarefa imediata, se for capaz de formar um gabinete aceito por todas as forças políticas rivais no Líbano, será promover a eleição parlamentar que deve ser realizada em junho, mas cujos preparativos estão atrasados.

O conflito na Síria tem exacerbado as tensões no Líbano, que travou uma desastrosa guerra civil de 1975 a 1990. Políticos rivais sunitas, xiitas e cristãos não conseguiram ainda chegar a um acordo sobre o sistema eleitoral.

Em seus primeiros comentários após a nomeação, Salam disse que iria procurar "unir as opiniões e chegar a um acordo rápido sobre uma lei parlamentar eleitoral para conseguir uma representação justa para todos os cidadãos e seitas".

Ele também se comprometeu a se concentrar em "acabar com as divisões políticas do Líbano e seu impacto sobre a segurança, e evitar os perigos da tragédia no vizinho (a Síria)".

Nascido em 1945 em uma família com histórico na política libanesa, Salam tem posições próximas à Arábia Saudita e ao Ocidente, mas foi escolhido como candidato de consenso aceitável para o bloco 8 de março, que inclui o grupo xiita Hezbollah, apoiado pelo Irã, e seus aliados, na maioria xiitas e cristãos.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBANOPREMIESIRIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.