Número 2 da Al-Qaeda critica Irã em mensagem de áudio

Ayman al-Zawahri culpa Teerã e Hezbollah por tentar desacreditar sucessos do grupo de bin Laden

Agência Estado e Associated Press,

22 de abril de 2008 | 08h08

O número 2 da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, negou uma teoria conspiratória segundo a qual Israel foi responsável pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001. O vice de Osama bin Laden culpou o Irã e o grupo xiita Hezbollah pela versão, como forma de desacreditar os sucessos da sunita Al-Qaeda no confronto com os Estados Unidos.   Os comentários refletem o crescente conflito entre Al-Zawahiri e o Irã. O líder do grupo extremista acusou recentemente Teerã de buscar ampliar seu poder no Oriente Médio, particularmente no Iraque e, através de seus aliados do Hezbollah, no Líbano. Al-Zawahiri falou durante duas horas em uma gravação, divulgada em um site militante islâmico nesta terça-feira. No áudio, ele respondia várias questões enviadas pela internet. Uma das perguntas tratava da teoria segundo a qual Israel atacara as Torres Gêmeas e o Pentágono, nos EUA, em 2001.   Al-Zawahiri acusou a rede Al-Manar, do Hezbollah, de divulgar inicialmente essa versão. "O propósito dessa mentira é claro - (sugerir) que não há heróis entre os sunitas que podem ferir a América como ninguém mais na história. A mídia iraniana 'comprou' essa mentira e a repetiu."   "O objetivo do Irã é também claro: encobrir seu envolvimento com a América em invadir as moradas de muçulmanos no Afeganistão e no Iraque", acrescentou. O Irã cooperou com os Estados Unidos na invasão no Afeganistão, em 2001. A Al-Qaeda já assumiu anteriormente a responsabilidade pelos atentados de 11 de Setembro. Mas as acusações de al-Zawahiri contra o Irã demonstram os crescentes conflitos do grupo com esse país, pouco mencionado nas mensagens até poucos meses.   A retórica anti-Irã pode refletir uma tentativa de explorar os medos da maioria sunita da influência xiita do Irã na região, além de posicionar a Al-Qaeda como a principal força contra essa influência. A população iraniana é, em sua maioria, de etnia persa. Os muçulmanos xiitas são majoritários no país.   Como costuma fazer em suas mensagens, Al-Zawahiri condenou a "invasão dos cruzados" no Iraque, referindo-se à coalizão liderada pelos Estados Unidos, no país desde 2003. Mas nesta última mensagem também condenou a "cumplicidade iraniana". A autenticidade do áudio não pôde ser confirmada de forma independente. Porém a voz era parecida com as últimas mensagens do número 2 da Al-Qaeda, e o local em que o áudio foi postado trazia o logo oficial do grupo.   Al-Zawahiri também falou sobre possíveis ataques terroristas a nações ocidentais que participaram da invasão liderada pelos Estados Unidos ao Iraque. "Minha resposta é: sim! Nós acreditamos que qualquer país que se uniu à agressão aos muçulmanos deve ser dissuadido."   O número dois criticou ainda o movimento radical islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza, por sua aparente disposição em acertar um acordo de paz com Israel se um referendo validar as negociações, por ser contrário à lei islâmica. "Como podem fazer um referendo que viola a sharia?", questionou. Segundo o ex-presidente americano Jimmy Carter, o grupo estaria disposto a alcançar um acordo se este for aprovado por consulta pública. Posteriormente, a facção afirmou que o Hamas "não reconhecerá" o Estado israelense.

Tudo o que sabemos sobre:
Ayman al-ZawahriAl-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.