Nuvem tóxica ameaça moradores de cidade israelense

População de Ashdod se fecha em casa com medo de contaminação; nuvem surgiu após explosão de fábrica

Efe,

14 de janeiro de 2009 | 15h53

Milhares de habitantes da cidade israelense de Ashdod, ao sul de Tel Aviv, estão fechados em suas casas por temerem ser contaminados por uma nuvem tóxica causada pela explosão de uma fábrica de produtos químicos da cidade. Fontes do serviço de emergência de Israel afirmaram que duas pessoas sofreram ferimentos como consequência da inalação da fumaça e foi ordenado a toda a população da cidade e dos arredores que se feche em casa e tampe frestas de portas e janelas.   Veja também: Número de mortos em Gaza já passa de mil Bin Laden pede guerra santa contra Israel na Faixa de Gaza Secretário da ONU volta a pedir cessar-fogo  Norte de Israel é atingido por foguetes do Líbano Correspondente do "Estado" fala da 3ª semana do conflito Aumenta suspeita do uso de armas ilegais no conflito em Gaza Conflito em Gaza vira guerrilha urbana  Secretário-geral da ONU apela por trégua Especial traz mapa com principais alvos em Gaza  Linha do tempo multimídia dos ataques em Gaza  Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos   Veja imagens de Gaza após os ataques      A explosão foi registrada na fábrica Agam Químicos por razões desconhecidas, mas se descartou que se devesse à queda de algum foguete disparado da Faixa de Gaza, informou a polícia. Desde o início da ofensiva israelense em Gaza em dezembro, algumas milícias palestinas lançaram dezenas de foguetes de médio alcance contra esta e outras cidades situadas a até 40 quilômetros de Gaza.   Dezenas de ambulâncias e caminhões de bombeiros, assim como especialistas em poluição ambiental do Ministério do Meio Ambiente, seguiram para Ashdod para ajudarem a apagar o incêndio e prevenirem uma possível catástrofe.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelGazaHamas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.