O dia em que o vazador foi vazado

Al Jazeera fura embargo do Wikileaks para publicar documentos meia hora antes do combinado

estadão.com.br,

22 de outubro de 2010 | 19h16

SÃO PAULO- O canal árabe Al-Jazeera rompeu nesta sexta-feira, 22, o embargo imposto pelo site Wikileaks para a publicação dos dados de mais de 400.000 documentos referentes a guerra do Iraque.  

 

Veja também:

linkHillary condena vazamentos que 'arriscam vidas de cidadãos'

lista Veja os documentos no site

lista Perfil: Julian Assange, um revelador incógnito

 

Se antecipando ao horário imposto das 19 horas de Brasília, a rede deu as informações meia hora antes de meios ao redor do mundo que também tinham os relatórios, tais como: The Guardian (Reino Unido), The New York Times (Estados Unidos), Der Spiegel (Alemanha), Le Monde (França), CNN (EUA), BBC (Reino Unido), e outros.

 

Com o vazamento antes do previsto, o Wikileaks acabou permitindo todos os outros meios noticiosos a publicar os documentos, o maior vazamento da história dos Estados Unidos.

 

Os relatórios revelam um número de baixas civis bem maior do que o oficial: segundo a Al Jazeera, os relatórios dão conta de 109.000 mortes desde o início do conflito até o fim de 2009, 63% dela de civis.

 

Além disso, o Exército americano também teria encoberto torturas  nas prisões iraquianas, e o primeiro-ministro iraquiano, Nuri al Maliki, teria ordenado a formação de "equipes encarregadas de perpetrar torturas e matanças".

 

Os relatórios também apontam a Guarda Revolucionária do Irã como ajudante da insurgência islâmica iraquiana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.