Obama acusa Irã de ser evasivo antes de negociação nuclear

País vai encontrar os Estados Unidos e cinco outras potências na cidade suíça de Genebra na quinta-feira

CAREN BOHAN E HOSSEIN JASEB, REUTERS

26 de setembro de 2009 | 17h24

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou neste sábado que a descoberta de uma usina nuclear secreta no Irã revelou um "padrão perturbador" de evasivas por parte de Teerã, que deu mais urgência às conversas de 1o de outubro com potências mundiais.

Autoridades iranianas expressaram um tom duro. Um deles disse que espera que a usina, em construção ao sudoeste de Teerã, esteja pronta logo e que "cegue" os inimigos e outro manifestou surpresa que o mundo não esteja grato pelo fato de o país ter revelado a existência dela.  

 

Veja também:

 

linkIrã anuncia exercício militares com mísseis a partir de domingo

link Irã marcará data para inspeção internacional à usina

linkUsina no Irã é imprópria para uso civil

linkIrã escondeu usina, acusam potências

linkAhmadinejad diz ter informado AIEA sobre usina

linkObama prefere diálogo, mas não descarta opção militar

linkLula diz que visita de iraniano não constrange

linkEntenda o programa nuclear do Irã

O Irã, que insiste que o seu programa nuclear tem como fim a geração de energia e não a produção de armas, como é temido pelo Ocidente, irá encontrar os Estados Unidos e cinco outras potências na cidade suíça de Genebra na quinta-feira.

O presidente dos EUA advertiu o Irã na sexta-feira que o país poderá sofrer sanções severas. "Este é um sério desafio ao regime global de não-proliferação e as evasivas do Irã continuam a perturbar", afirmou no sábado.

"Por isso as negociações com o Irã marcadas para 1o de outubro passam a tare mais urgência agora."

Grã-Bretanha, França e Alemanha uniram-se aos EUA no aumento da perspectiva de novas sanções contra o Irã se este não tomar medidas para acalmar as preocupações sobre o programa nuclear.

O Irã reconheceu ter um local de enriquecimento de urânio perto de Qom pela primeira vez na segunda-feira, em uma carta à Agência Internacional de Energia Atômica da ONU.

Ali Akbar Salehi, chefe da organização de energia atômica iraniana, disse que o país havia previsto que a revelação seria bem recebida.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAOBAMANUCLEAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.