Obama aprova novo governo do Iraque

Para presidente dos EUA, acordo entre partidos é 'inclusivo' e representa o povo iraquiano

11 de novembro de 2010 | 23h49

WASHINGTON- O presidente Barack Obama aprova o progresso que o Iraque fez hoje para formar um novo governo "inclusivo", informou a Casa Branca nesta quinta-feira, 11, apóso Parlamento iraquiano definir o novo governo do país hoje, um acordo que colocou fim a oito meses de impasse político.

 

Veja também:

especial Cronologia: Guerra do Iraque, do início ao fim

 

O bloco secular sunita Iraqyia, do ex-premiê Iyad Allawi, ficou com a presidência do Parlamento. O curdo Jalal Talabani segue como Chefe de Estado. Ele nomeou o xiita secular Nouri al-Maliki para formar o governo como primeiro-ministro.

 

"O presidente é encorajado pelo progresso substancial feito na formação de um novo governo inclusivo que representa o povo iraquiano e os resultados das eleições deste ano", afirma a Presidência em um comunicado.

 

Segundo o texto, Obama conversou com vários líderes iraquianos recentemente e ressaltou que todos os blocos que saíram vencedores nas eleições de março precisavam ser representados no novo governo.

 

As eleições legislativas de 7 de março não haviam dado a nenhum partido a maioria para governar sozinho o país. Desde então, al-Maliki e Allawi competiam para formar um novo governo. O bloco de Allawi, Iraqyia, teve dois assentos a mais que a Aliança do Estado de Direito, de al-Maliki.

 

Segundo a Constituição do Iraque, a eleição do presidente do Parlamento é uma etapa indispensável antes da designação do chefe de Estado e do premiê. No país, os eleitores elegem os deputados, que por sua vez apontam os cargos executivos. Este será o terceiro governo iraquiano desde a queda do regime de Saddam Hussein.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.