Jason Reed/Reuters
Jason Reed/Reuters

Obama: construção de assentamentos israelenses não é construtiva para paz

Presidente dos EUA, no entanto, não chegou a exigir um congelamento das construções

Reuters

21 de março de 2013 | 09h57

RAMALLAH - O presidente dos EUA, Barack Obama, disse nesta quinta-feira, 21, que a construção de assentamentos na Cisjordânia ocupada não "avança a causa da paz", mas não chegou a exigir um congelamento das construções para permitir que as negociações sejam retomadas.

Falando em uma entrevista coletiva ao lado do presidente palestino, Mahmoud Abbas, Obama disse que continua comprometido com a criação de um Estado palestino "independente, viável e contíguo", mas disse que atingir esse objetivo não será fácil.

"A questão central agora é como vamos conseguir a soberania para o povo palestino e a segurança para as pessoas de Israel", disse Obama a jornalistas, após quase duas horas de conversas com Abbas. "Isso não quer dizer que os assentamentos não são importantes. Isso quer dizer que se nós resolvermos esses dois problemas, a questão dos assentamentos será resolvida", acrescentou.

Negociações patrocinadas pelos EUA entre Israel e os palestinos foram interrompidas em 2010 devido à questão dos assentamentos judaicos, e Abbas repetiu nesta quinta-feira que busca o congelamento das construções em terras tomadas por Israel na guerra de 1967.

Em sua primeira visita oficial a Israel e aos territórios palestinos, Obama manteve conversas longas com o premiê israelense, Binyamin Netanyahu, na quarta-feira, antes do encontro com Abbas nesta quinta. "Eu tenho sido claro com o primeiro-ministro Netanyahu e outras autoridades israelenses que nós não consideramos a atividade contínua de assentamentos construtiva, adequada, algo que possa avançar a causa da paz", disse Obama.

Ele não apresentou novas propostas para uma retomada das negociações, mas disse que seu novo secretário de Estado, John Kerry, vai passar um tempo significativo tentando reduzir as diferenças entre os dois lados, à medida que os EUA buscam levá-los de volta às negociações.  

Veja abaixo principais trechos do discurso de Obama, em inglês:

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.