Obama deve assinar sanções do Congresso contra Irã nesta quinta

Medida proíbe exportações de petróleo refinado ao país e impõe sanções a empresas iranianas

Efe,

30 de junho de 2010 | 23h24

WASHINGTON- O presidente Barack Obama assinará nesta quinta-feira, 1º de julho, as sanções aprovadas pelo Congresso na semana passada ao setor energético e financeiro do Irã, informou a Casa Branca.

 

Veja também:

linkBrasil pode tentar reunião entre Irã e Grupo de Viena, diz Amorim

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

 

A Câmara dos Representantes (deputados) e o Senado aprovaram na semana passada um projeto de lei que impõe sanções a exportações de petróleo refinado à República Islâmica e contra instituições financeiras que tenham negócios com a Guarda Revolucionária iraniana.

 

O texto indica que os bancos estrangeiros que negociem com instituições iranianas na "lista negra" americana terão duas opções: cessar suas atividades ou aceitarem o risco de que o país bloqueie seus acessos ao sistema financeiro.

 

O governo americano estaria disposto a levantar as sanções quando o Executivo certifique junto ao Congresso que o Irã cumpre com os requisitos para sair da lista de supostos patrocinadores de terrorismo, e tenha cessado seus esforços para desenvolver ou adquirir armas de destruição em massa, mísseis balísticos e tecnologia para lançá-los.

 

Obama firmará estas sanções depois que o Conselho de Segurança aprovou uma nova resolução endurecendo as restrições contra Teerã por sua recusa em deter seu programa de enriquecimento de urânio.

 

Apesar do Irã insistir que seu programa nuclear tem fins civis, a comunidade internacional acredita que sob essa fachada Teerã está tentando construir armas nucleares.

 

O Senado e a Câmara dos Representantes têm pressionado por meses o governo Obama para impor sanções unilaterais ao Irã e aumentar a pressão contra o regime iraniano.

 

Os Estados Unidos não têm relações diplomáticas com Teerã desde 1980, após o assalto a embaixada americana na capital iraniana e o triunfo da Revolução Islâmica no ano anterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.