Obama e Netanyahu brincam enquanto pisam em uma nova 'linha vermelha'

Diferenças entre o presidente norte-americano Barack Obama e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu sobre traçar uma "linha vermelha" para o projeto nuclear iraniano nunca foi assunto para brincadeiras. Pelo menos até agora.

Reuters

20 de março de 2013 | 15h57

Os dois líderes brincaram durante uma visita de Obama a um sistema antimíssil parcialmente financiado pelos Estados Unidos, que ele inspecionou depois de uma recepção de tapete vermelho na quarta-feira no aeroporto de Tel Aviv.

"Onde você quer começar?", perguntou Obama a um oficial israelense, em um comentário captado pelas câmeras de televisão que cobriam de perto o presidente e Netanyahu andando juntos em direção ao complexo de defesa.

"Estamos seguindo a linha vermelha, senhor", retrucou o oficial sem rodeios, referindo-se à linha vermelha pintada no asfalto que levava até os mísseis.

"A linha vermelha, certo", disse Obama, que sorriu, gesticulou com seu polegar em direção a Netanyahu e disse: "Ele sempre está falando comigo sobre linhas vermelhas".

Foi um raro momento de descontração entre os dois, cujo relacionamento frequentemente tenso vem sendo ilustrado por aparições carrancudas diante das câmeras durante as visitas de Netanyahu à Casa Branca.

A exibição pública suavizou o tom no início de uma visita de Obama que não deve produzir muito em questão de iniciativas políticas.

Em um discurso na Organização das Nações Unidas em setembro, Netanyahu traçou uma linha vermelha em uma caricatura de uma bomba, descrevendo o ponto onde disse que o Irã teria urânio enriquecido suficiente para seguir rapidamente na fabricação de uma bomba nuclear.

Continuando sua brincadeira enquanto andava ao longo da fina linha vermelha no aeroporto, Obama disse, sorrindo: "Então tudo isso é uma manobra psicológica".

Rindo, Netanyahu retrucou: "Isso foi minuciosamente planejado".

(Reportagem de Allyn Fisher-Ilan e Jeffrey Heller)

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDBRINCADEIRAOBAMANETANYAHU*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.