Carolyn Kaster/AP
Carolyn Kaster/AP

Obama garante que está cumprindo promessa de retirar tropas do Iraque

Até fim do mês, missão de combate será encerrada no país; 50.000 soldados permanecerão

Efe,

18 de agosto de 2010 | 19h20

WASHINGTON- O presidente Barack Obama afirmou nesta quarta-feira, 18, que está cumprindo seu compromisso assumido durante as eleições de encerrar as missões de combate no Iraque e completar a retirada de milhares de soldados americanos do país.

 

Veja também:

linkSeculares e xiitas negociam aliança para formar coalizão no Iraque

linkAtaques matam 2 e ferem 9 no Iraque

 

"Estamos mantendo a promessa que fiz quando comecei minha campanha para a presidência. No fim deste mês, teremos tirado 100 mil soldados do Iraque e nossa missão de combate terminará", disse Obama durante um ato político em Ohio.

 

A partir do fim do mês, os norte-americanos manterão um contingente de cerca de 50 mil militares para logística e treinamento dos soldados iraquianos. Durante o "surge" (aumento dos soldados norte-americanos no país), entre 2006 e 2007, os norte-americanos chegaram a ter 165 mil homens no Iraque.

 

O líder americano fez as afirmações durante o último de três dias de viagem por cinco estados para apoiar candidatos democratas nas eleições para governador.

 

Em paralelo, a Casa Branca divulgou uma mensagem na qual Obama destacou novamente seu compromisso com a retirada das tropas americanas do Iraque, enquanto as Forças de Segurança iraquianas assumem as tarefas do Exército dos EUA.

 

Nos últimos 18 meses, mais de 90 mil soldados americanos deixaram o país do Oriente Médio e, segundo Obama, sob um acordo com o governo iraquiano, "todas as tropas estarão fora do Iraque até o fim do ano que vem".

 

O presidente também disse que, uma vez concluída a Guerra do Iraque e que os soldados tenham voltado para casa, seu país tem a "obrigação moral" de velar pelo bem-estar dos veteranos de guerra que lutaram em território iraquiano.

 

Durante o ato em Ohio, Obama agradeceu o apoio dos eleitores que lhe deram a vitória em 2008 e atacou as políticas dos republicanos que, em sua opinião, "não funcionaram muito bem".

 

Nesse sentido, Obama criticou as políticas econômicas do então presidente George W. Bush e pediu aos eleitores locais que não votem nos republicanos: "quando há tempos difíceis, pode acontecer de nos cedermos facilmente ao cinismo e ao medo".

 

Atualmente, algumas pesquisas indicam que a popularidade de Obama continua em baixa, sobretudo por sua gestão no que diz respeito à recuperação econômica.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaIraqueguerraretiradaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.