Obama: Irã terá 'consequências' se não abrir programa nuclear

Presidentes dos EUA e da China alertam para que regime iraniano dê garantias de que seu projeto é pacífico

estadao.com.br,

17 Novembro 2009 | 08h13

China e os EUA concordaram nesta terça-feira, 17, que o Irã enfrentará "consequências" se resistir a uma abertura maior de seu programa nuclear, segundo afirmou o presidente americano, Barack Obama, depois de conversar com seu colega chinês, Hu Jintao.

 

Veja também:

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

Numa declaração coletiva conjunta com o presidente chinês, Obama disse que ele e Hu concordaram que "a República Islâmica do Irã deve fornecer garantias à comunidade internacional de que seu programa nuclear é pacífico e transparente". "Sobre este ponto, nossas duas nações e outras potências globais estão unidas", declarou Obama. "O Irã tem uma oportunidade de apresentar e demonstrar suas intenções pacíficas, mas, se não aproveitar esta oportunidade, haverá consequências", afirmou.

 

China e EUA estão entre as seis potências mundiais que buscam um fim negociado para o programa nuclear do Irã. Nesta segunda-feira, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) pediu ao governo iraniano mais informações sobre a finalidade de uma usina nuclear cuja existência até há pouco tempo era mantida em sigilo. A agência indicou que a república islâmica pode estar escondendo outras instalações.

Mais conteúdo sobre:
Irã China EUA programa nuclear Barack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.