Obama manda dois enviados à Síria para retomada de relações

É o sinal mais significativo da aproximação do governo Obama com o país, antagonnista dos EUA e aliado do Irã

AP

07 de março de 2009 | 10h52

Dois representantes do presidente americano, Barack Obama, chegaram neste sábado à Síria para uma reunião com o chanceler Walid al-Moallem. A viagem de Jeffrey Feltman, enviado do Departamento de Estado para o Oriente Médio, e Daniel Shapiro, assessor da Casa Branca, é o sinal mais significativo da aproximação do governo Obama com o país, um dos antagonistas dos EUA no Oriente Médio, e que tem relações próximas com o Irã. Veja também:  Principais pontos de discussão entre Rússia e EUA  Resultados do primeiro giro de Hillary à frente da chancelariaOs EUA não tem representação diplomática na Síria desde 2005, quando o premiê libanês, Rafik Hariri foi assassinado, crime pelo qual o país foi responsabilizado, mas que Damasco nega. O presidente sírio, Bashar al-Assad, tem respondido positivamente a uma reaproximação com os EUA, algo impensável durante a gestão de George W. Bush. Assad tem dito que os gestos de Obama o tem impressionado, mas que ele ainda espera por resultados. Ainda não está claro se ambos devem se encontrar com o presidente . O encontro foi tornado público hoje pela secretária de Estado, Hillary Clinton, que está na Turquia. A diplomata afirmou também que Obama deve visitar Ancara nos próximos meses. Em entrevista junto com o colega turco Ali Babacan, Hillary disse que EUA e Turquia devem negociar o modo mais seguro e efetivo de retirar tropas americanas do Iraque. A Turquia é vista como um aliado vital dos EUA no Oriente Médio em várias questões, como Irã, Iraque, Palestina e Afeganistão. A Turquia disse que concorda em servir de rota de retirada para os EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiaSíriaEUAHillaryObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.