Ofensiva militar do Paquistão mata 100 em quatro dias

Forças paquistanesas bombardearam uma região tribal próxima a fronteira com o Afeganistão

Efe,

11 de agosto de 2008 | 04h26

As forças paquistanesas bombardearam dezenas de casas em uma região tribal próxima a fronteira com o Afeganistão, afirmam testemunhas e oficiais. Após vários dias de confrontos ao menos 100 insurgentes e nove soldados morreram.   Não há detalhes sobre a ofensiva militar de domingo em Bajur, região usada como esconderijo por líderes da Al-Qaeda.   Sardar Khan, um oficial da polícia local, disse que dois ataques aéreos destruíram 40 casas em várias vilas. Segundo ele, as bombas atingiram um escola ocupada por talebans em Loi Sam, uma aldeia que tem sido um dos principais foco dos combates.   Dois moradores, Zamin e Attaullah Sher Khan, disseram que aviões e helicópteros do exército lançaram bombas, aparentemente em supostas posições talebans.   Entretanto, um repórter Associated Press em Khar, a principal cidade em Bajur, viu patrulhas talebans em estradas com lança foguetes, metralhadoras pesadas e, em alguns lugares, armas antiaéreas.   Paquistão tem sido pressionado pelos EUA para combater os militantes nas zonas tribais, de onde eles lançam ataques contra forças do governo e da Otan no Afeganistão.   Segundo os dados das tropas na fronteira, ao menos nove soldados e 100 militantes morreram nos últimos quatro dias. Mas um comunicado oficial da inteligência afirma que são 13 os mortos nas tropas.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoAfeganistãoataques

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.